Pazuello nega ter sofrido ‘qualquer pressão’ de Lira

O general Eduardo Pazuello negou na noite desta terça-feira que tenha recebido “qualquer pressão” do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, durante sua gestão como ministro da Saúde. A manifestação, feita em nota divulgada pela Secom, contraria o que disse o deputado federal Luis Miranda em depoimento à PF.

“O Secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, o, esclarece que não sofreu qualquer pressão do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, durante sua gestão no ministério da Saúde, para disponibilizar recursos da pasta em atendimento a demandas do parlamentar”, diz o comunicado divulgado há pouco.

À Polícia Federal, Miranda declarou que Pazuello revelou a ele, numa conversa, que recebeu pressões de Lira justamente para que liberasse recursos da pasta a aliados, cuja recusa seria a causa da sua demissão do Ministério da Saúde. O depoimento do parlamentar, em vídeo, foi enviado pela PF aos senadores da CPI da Pandemia e publicado pelo jornal O Globo.

Também em nota à imprensa, Lira disse que as declarações de Miranda deveriam ser respondidas por Pazuello e que, “sobre as demais informações propagadas, o deputado deverá responder no foro adequado, que é o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados”.

Segundo Miranda disse ao delegado da PF que investiga o caso Covaxin, ele alertou o ministro sobre possível corrupção na compra de vacinas. “Eu disse: ‘Pazuello, tá tendo sacanagem no teu ministério. Tem que agir, mermão’. Aí ele falou: ‘Sacanagem tem desde que eu entrei’. Com aquele jeitão carioca dele”, disse Miranda.

O deputado relatou ao ministro que havia procurado Bolsonaro para entregar documentos sobre corrupção no contrato da vacina indiana. Nesse momento, segundo o deputado, Pazuello citou o chefe da Câmara.

“O Pazuello olha pra mim e diz assim: ‘Deputado, posso falar a verdade? Eu passei seis horas andando de helicóptero com ele (Bolsonaro) e consegui dez minutos de atenção dele. Eu não consigo. Eu tenho coisas pra resolver com ele e, porra, no final do ano eu levei uma pressão tão grande que eu não sei exatamente como resolver. Uma pressão… Um cara’ (E eu perguntei) ‘Que cara?’ ‘O Arthur Lira, porra. O Arthur Lira colocou o dedo na minha cara e disse: Eu vou te tirar dessa cadeira, porque eu não quis liberar a grana pra listinha que ele me deu dos municípios que ele queria que recebesse. Ele bota o dedo na minha cara’”, disse Miranda sobre o suposto desabafo do general.

Ultimas notícias

Senador Romário é submetido a cirurgia em hospital do Rio

O ex-jogador de futebol senador Romário (PL-RJ) foi submetido, nesta quinta-feira, 9, a uma cirurgia, no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada em...

STF suspende novamente julgamento sobre terras indígenas

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu novamente o julgamento que analisa a validade da tese sobre o marco temporal para demarcações de terras indígenas....

Câmara aprova novo Código Eleitoral, mas exclui quarentena a juízes

O texto-base do novo código eleitoral em tramitação na Câmara dos Deputados foi aprovado nesta quinta-feira, 9, pelo plenário da Casa por ampla maioria,...

Restos mortais de vítimas do 11 de setembro são identificados após 20 anos

Por 20 anos, o consultório médico legista da cidade de Nova York conduziu discretamente a maior investigação de pessoas desaparecidas já realizada no país —...

Ter mais tempo livre não aumenta necessariamente o bem-estar

Ter muito tempo livre não é sinônimo de bem-estar. É o que dizem pesquisadores da Universidade da Pensilvânia em estudo publicado no Journal of...