Vacina chinesa: Principal etapa termina no Brasil

Os estudos com a vacina chinesa CoronaVac, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo, atingiram uma etapa importante no país. Os testes com os 9 mil voluntários foram concluídos. Não houve efeitos colaterais importantes e a produção de anticorpos foi positiva. O resultado, que deverá se anunciado até o fim desta semana, ratifica a segurança do produto.

Os trabalhos com a CoronaVac começaram no país em julho, com voluntários preferencialmente da área da saúde. Agora, na segunda etapa já aprovada pela Anvisa, serão incluídos mais 4 mil pessoas. Desta vez serão aceitos grupos com diferentes perfis, como aqueles já infectados e com idade acima de 60 anos.

Recentemente, duas pesquisas clínicas com outros imunizantes foram suspensos por problemas com a segurança: do laboratório Astrazeneca em parceria com a Universidade de Oxford e do grupo Johnson & Johnson.

Produzida pelo laboratório chines Sinovac, a CoronaVac é uma das vacinas mais promissoras para a Covid-19. Ela é inativada, ou seja, contém apenas fragmentos do vírus inativos.

 

 

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Senador Romário é submetido a cirurgia em hospital do Rio

O ex-jogador de futebol senador Romário (PL-RJ) foi submetido, nesta quinta-feira, 9, a uma cirurgia, no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada em...

STF suspende novamente julgamento sobre terras indígenas

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu novamente o julgamento que analisa a validade da tese sobre o marco temporal para demarcações de terras indígenas....

Câmara aprova novo Código Eleitoral, mas exclui quarentena a juízes

O texto-base do novo código eleitoral em tramitação na Câmara dos Deputados foi aprovado nesta quinta-feira, 9, pelo plenário da Casa por ampla maioria,...

Restos mortais de vítimas do 11 de setembro são identificados após 20 anos

Por 20 anos, o consultório médico legista da cidade de Nova York conduziu discretamente a maior investigação de pessoas desaparecidas já realizada no país —...

Ter mais tempo livre não aumenta necessariamente o bem-estar

Ter muito tempo livre não é sinônimo de bem-estar. É o que dizem pesquisadores da Universidade da Pensilvânia em estudo publicado no Journal of...