Autoridades iranianas prometem retaliação após morte de cientista nuclear

O programa nuclear iraniano é motivo de preocupação constante dos Estados Unidos e de seus aliados no Oriente Médio desde o governo Barack Obama. Agora, nas últimas semanas da administração de Donald Trump, a situação deve ficar mais tensa. O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, jurou vingar a morte do chefe de pesquisas Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi, assassinado na sexta, dia 27, aparentemente em uma emboscada na capital Teerã. Autoridades iranianas apontam as forças especiais israelenses como as responsáveis pelo atentado.

O gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyaru não comenta o caso, mas o presidente Donald Trump retuitou uma postagem impactante do jornalista israelense Yossi Melman: “Fakhrizadeh era o cabeça do programa militar secreto iraniano, procurado por muito anos pelo Mossad. A morte dele é um tremendo revés profissional e psicológico para o Irã”. O Mossad é o serviço secreto israelense, tido como um dos mais eficientes do mundo. Autoridades americanas dizem que estão apenas “monitorando o caso”, como reportou pela manhã a CNN.

O aiatolá Khamenei, também por meio de sua conta no Twitter, prometeu retaliar e prosseguir com as pesquisas nucleares. O presidente do Irã, Hassan Rouhani, afirmou que seu país está determinado a responder no tempo apropriado. O ministro de relações internacionais Javad Zarif disse que “há sérias evidências do envolvimento de Israel” no assassinato que ele classificou como “ato de covardia”.

O nome de Fakhrizadeh sempre vinha à tona nos relatórios de Israel, Estados Unidos e da Agência Internacional de Energia Atômica.  O cientista era chefe do centro de pesquisas da Guarda Revolucionária e foi figura proeminente do programa nuclear iraniano por muitos anos.

Em 2018, o Irã voltou atrás nos seus compromissos firmados em 2015 com o governo Obama depois que atual administração americana cancelou o acordo e estabeleceu sanções, alegando que o governo de Teerã continuava a conduzir pesquisas para desenvolvimento de armas atômicas. Os dias finais de Trump na Casa Branca sinalizam tensão no Oriente Médio. Como o presidente eleito Joe Biden irá lidar com inimigos e aliados na região é uma questão ainda a ser respondida.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Senado aprova texto-base da PEC Emergencial em primeiro turno

O Senado aprovou na noite desta quarta-feira, 3, em primeiro turno, o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 186/2019, a chamada PEC...

Três perguntas sobre a choupana de Zero Um

Flávio Bolsonaro adquiriu uma modesta choupana em Brasília.  Tem 2.400 metros quadrados de terreno, 1.100 metros quadrados de área construída e saiu pela bagatela...

Bolsonaro reforça papel de inimigo número 1 da Lava Jato

Hoje em dia deve estar muito difícil para os apoiadores – pensantes – do presidente Bolsonaro ainda acreditarem na sua agenda anticorrupção. Transcorrido quase um...

Maioria dos baianos apoia Rui Costa e defende toque de recolher e lockdown

A maioria dos cidadãos baianos aprovam a forma como o governador do estado, Rui Costa (PT), está enfrentando a pandemia de Covid-19. Medidas mais...

ONGs processam grupo francês Casino por desmatamento no Brasil e Colômbia

Uma coalização de ONGs moveu uma ação criminal na França nesta quarta-feira, 3, contra o grupo francês Casino, que acusam de vender carnes ligadas...