Casa Branca retoma planos de incluir ativista negra em cédula de dólar

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira, 25, que vai reviver o projeto para incluir o retrato da ativista negra Harriet Tubman nas notas de 20 dólares, anunciou a Casa Branca.

“É importante que nossas cédulas e nosso dinheiro reflitam a história e a diversidade de nosso país”, disse o porta-voz presidencial Jen Psaki.

O projeto de lei redesenhado foi inicialmente revelado em 2020, mas esforços foram adiados pelo Tesouro depois que o ex-presidente Donald Trump os chamou de um exemplo de “correção política pura”.

Não ficou imediatamente claro o quanto esse impulso poderia ser acelerado devido à complexidade de redesenhar uma nova cédula com os recursos de segurança e medidas contra falsificação necessários. Uma fábrica de impressão de alta velocidade necessária para produzir uma nova nota de 20 dólares está atualmente programada para ser inaugurada em 2025.

O projeto nasceu durante a presidência de Barack Obama e fará de Tubman a primeira pessoa negra a aparecer em uma cédula americana.

O presidente Joe Biden, que foi vice de Obama, fez da diversidade uma peça central de sua administração, marcando um forte contraste com a administração Trump, que buscou minimizar o papel da escravidão na história do país.

Continua após a publicidade

Harriet Tubman

Tubman nasceu em Maryland, na década de 1820. Como escravizada, aos seis anos começou a trabalhar como servente doméstica. Aos 13, foi enviada para trabalhar nos campos da fazenda onde vivia.

Ela viu suas irmãs serem vendidas, os pais idosos trabalharem como escravos e carregou por toda a vida marcas físicas da escravidão: além das cicatrizes deixadas por chicotes, ela ganhou uma deficiência permanente depois de receber uma forte pancada na cabeça.

Ela fugiu da escravidão e atravessou clandestinamente dezenas de escravos para o norte dos Estados Unidos e Canadá antes e durante a Guerra Civil (1860-1865). Em seguida, participou da luta das mulheres pelo direito ao voto.

Nenhuma mulher foi retratada em cédulas dos EUA desde a ex-primeira-dama Martha Washington, que foi destaque no certificado de prata de 1 dólar de 1891 a 1896, e a nativa Pocahontas, que fez parte de uma imagem de grupo na nota de 20 dólares de 1865 a 1869.

Outras mulheres, incluindo a intérprete indígena Sacagawea, a sufragista Susan B. Anthony e a autora e ativista Helen Keller, apareceram em moedas.

Tubman substituirá o presidente Andrew Jackson, admirado por Trump, em uma das notas mais usadas no país. Jackson foi criticado por sua propriedade de escravos e pelo tratamento dispensado aos índios americanos.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Desembargador do TRF1 revoga prisão domiciliar de Eduardo Cunha

O desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), sediado em Brasília, revogou nesta quinta-feira, 6, a prisão domiciliar do ex-presidente...

Visita de Onyx a Pazuello é considerada um erro no Planalto

A notícia de que o general Eduardo Pazuello recebeu o ministro Onyx Lorenzoni nesta quinta-feira — revelada pelo Estadão dois dias depois de o...

Lewandoski rejeita suspender julgamento do governador de SC

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, rejeitou nesta quinta-feira o pedido de um deputado estadual de Santa Catarina para suspender o julgamento do impeachment...

Queiroga pisa em ovos

Do depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI da Pandemia, emergiu a evidência de que ele não tem autonomia para tomar decisões...

Assessor de Bolsonaro critica STF e diz estar pronto para ‘guerra’

Praticamente inseparável de Jair Bolsonaro, o assessor especial do presidente Max Guilherme Machado de Moura fez nesta quinta-feira um ataque direto aos ministros do...