Casa Branca retoma planos de incluir ativista negra em cédula de dólar

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira, 25, que vai reviver o projeto para incluir o retrato da ativista negra Harriet Tubman nas notas de 20 dólares, anunciou a Casa Branca.

“É importante que nossas cédulas e nosso dinheiro reflitam a história e a diversidade de nosso país”, disse o porta-voz presidencial Jen Psaki.

O projeto de lei redesenhado foi inicialmente revelado em 2020, mas esforços foram adiados pelo Tesouro depois que o ex-presidente Donald Trump os chamou de um exemplo de “correção política pura”.

Não ficou imediatamente claro o quanto esse impulso poderia ser acelerado devido à complexidade de redesenhar uma nova cédula com os recursos de segurança e medidas contra falsificação necessários. Uma fábrica de impressão de alta velocidade necessária para produzir uma nova nota de 20 dólares está atualmente programada para ser inaugurada em 2025.

O projeto nasceu durante a presidência de Barack Obama e fará de Tubman a primeira pessoa negra a aparecer em uma cédula americana.

O presidente Joe Biden, que foi vice de Obama, fez da diversidade uma peça central de sua administração, marcando um forte contraste com a administração Trump, que buscou minimizar o papel da escravidão na história do país.

Continua após a publicidade

Harriet Tubman

Tubman nasceu em Maryland, na década de 1820. Como escravizada, aos seis anos começou a trabalhar como servente doméstica. Aos 13, foi enviada para trabalhar nos campos da fazenda onde vivia.

Ela viu suas irmãs serem vendidas, os pais idosos trabalharem como escravos e carregou por toda a vida marcas físicas da escravidão: além das cicatrizes deixadas por chicotes, ela ganhou uma deficiência permanente depois de receber uma forte pancada na cabeça.

Ela fugiu da escravidão e atravessou clandestinamente dezenas de escravos para o norte dos Estados Unidos e Canadá antes e durante a Guerra Civil (1860-1865). Em seguida, participou da luta das mulheres pelo direito ao voto.

Nenhuma mulher foi retratada em cédulas dos EUA desde a ex-primeira-dama Martha Washington, que foi destaque no certificado de prata de 1 dólar de 1891 a 1896, e a nativa Pocahontas, que fez parte de uma imagem de grupo na nota de 20 dólares de 1865 a 1869.

Outras mulheres, incluindo a intérprete indígena Sacagawea, a sufragista Susan B. Anthony e a autora e ativista Helen Keller, apareceram em moedas.

Tubman substituirá o presidente Andrew Jackson, admirado por Trump, em uma das notas mais usadas no país. Jackson foi criticado por sua propriedade de escravos e pelo tratamento dispensado aos índios americanos.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Frase do dia

“Qual o interesse dos demagogos? Eles pensam: está todo mundo cansado de ficar em casa, vou dizer que pode sair, que pare com essa...

Charge do Amarildo

Humor

Fachin nega pedido de Edir Macedo para retomar ação contra Haddad

Não prosperou, ao menos por enquanto, a tentativa do bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus, de retomar um processo...

A imunidade, a impunidade e a bandidagem

Editorial de O Estado de S. Paulo (27/2/2021) Um Estado Democrático de Direito protege necessariamente os membros do Legislativo. Não há Congresso independente se os...

“Gato na Tuba” e Petrobras: CVM investiga (por Vitor Hugo Soares)

Eu me lembro da marchinha “Gato na Tuba” ao ler a notícia de que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu o segundo processo...