China ‘fez pouco’ para investigar origens do coronavírus, diz OMS

Um documento interno da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado nesta terça-feira, 23, pelo jornal britânico The Guardian, declara que autoridades da China ‘fizeram pouco’ para investigar as origens da pandemia de coronavírus em Wuhan.

De acordo com o relatório da viagem à China do gerente de programa da OMS Peter Ben Embarek, entre 10 de julho e 3 de agosto de 2020, autoridades chinesas de saúde deram poucas informações à equipe da OMS que iniciava os estudos sobre o surto na China. Além disso, a organização não recebeu nenhum documento escrito sobre as investigações no país.

“Após extensas discussões e apresentações de colegas chineses, parece que pouco foi feito em termos de investigações epidemiológicas em Wuhan desde janeiro de 2020. Os dados apresentados oralmente forneceram mais alguns detalhes do que o que foi apresentado nas reuniões do comitê de emergência em janeiro de 2020. Nenhuma apresentação em PowerPoint foi feita e nenhum documento foi compartilhado”, disse o relatório.

Na ocasião, o gerente da OMS reuniu-se com a Comissão Nacional de Saúde, a Administração Estadual para Regulamentação do Mercado, o Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais, entre outras agências, como o Instituto de Virologia de Wuhan.

Recentemente, o governo do americano Joe Biden emitiu uma declaração sobre suas preocupações com a cooperação chinesa no estudo da doença. Para os Estados Unidos, a OMS precisava proteger sua credibilidade e a China deveria tornar públicos os dados desde os primeiros dias do surto.

Outras questões sobre a cooperação da China surgiram devido a uma viagem da OMS em janeiro ao país asiático para estudar as origens do vírus. Dominic Dwyer, especialista australiano em doenças infecciosas que fazia parte da equipe de investigação, disse que havia solicitado dados brutos de pacientes a colegas chinesas, mas recebeu apenas um resumo.

Dados brutos são importantes para entender a Covid-19, já que apenas metade dos 174 casos iniciais estão ligados ao mercado de alimentos a céu aberto, agora fechado, onde o vírus foi detectado pela primeira vez.

Em comunicado ao Guardian, a OMS disse ter enfatizado a necessidade de entender a origem do vírus “desde o início” e discutido a necessidade de estudar e compartilhar informações com a China ao longo de 2020. Para a organização, apesar da prioridade ser salvar vidas, a realização de estudos sobre as origens de uma doença deve acontecer em paralelo com a supressão de um vírus.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Rito processual torna improvável que Lula vire ‘ficha suja’ antes de 2022

As ações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que foram enviadas nesta segunda-feira, 8, para a Justiça Federal de Brasília teriam...

‘Vai mexer com todas as peças do tabuleiro’, diz Boulos sobre Lula

Ex-candidato a presidente pelo PSOL, o líder do movimento sem-teto Guilherme Boulos afirmou que a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal...

“Como teve lugar isso que nos aconteceu?”, pergunta Idelber Avelar

Em junho de 2013, multidões irritadas foram às ruas protestar contra um irrisório aumento no preço da passagem dos transportes públicos. Logo ficou claro...

Como ficaria a eleição presidencial com a entrada de Lula na disputa

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria 18% das intenções de votos e perderia apenas para o presidente Jair Bolsonaro, que tem...

Com Covid-19 em alta, nenhum estado consegue a taxa mínima de isolamento

Em meio ao avanço da pandemia da Covid-19 pelo país, todos os estados brasileiros estão longe da taxa mínima de isolamento social de 70%...