Com a pandemia, cerca de 6.000 venezuelanos voltaram do Brasil

Cerca de 111.000 venezuelanos retornaram ao seu país natal do Brasil e da Colômbia devido à pandemia de Covid-19, revelou nesta quarta-feira 9 a Organização dos Estados Americanos (OEA). Dependentes da renda informal, muitos dos refugiados foram despejados, sem ter um lugar para viver e passar o isolamento.

“Até o momento, foram registrados aproximadamente 105.000 retornos da Colômbia e 6.000 do Brasil, segundo números oficiais”, afirma o relatório “Situação dos venezuelanos que retornaram e buscam voltar ao país no contexto da Covid-19”, divulgado em Washington.

O documento analisa a crise migratória venezuelana, com mais de 5,1 milhões de pessoas que abandonaram o país desde 2015, e como a pandemia de Covid-19 aumentou as dificuldades enfrentadas nos locais de refúgio como consequências das medidas para evitar a propagação do coronavírus Sars-CoV-2.

“A informalidade econômica é uma das principais características da população migrante e refugiada na região, com uma taxa mais elevada de quem participa e vive na economia informal do que na economia formal”, indica o estudo.

A OEA explicou que, como resultado da informalidade econômica, as fontes de renda dessas pessoas “foram substancialmente afetadas, fazendo com que milhares de famílias de migrantes e refugiados venezuelanos fossem despejadas, deixando-as sem um lugar para viver e onde passar o confinamento”.

Além disso, muitos “geralmente não têm acesso aos sistemas de saúde” devido à “condição de irregularidade”. Sendo assim, milhares de venezuelanos tiveram que retornar ao país natal, e foram assistidos pelos países da região.

Continua após a publicidade

Na Colômbia, o documento reporta que em março “foi criado um corredor humanitário para permitir o regresso dos venezuelanos, através do qual passaram 27.000 pessoas”, enquanto em abril foram implementadas mais três etapas.

Fechamento da fronteira

No entanto, a OEA advertiu que “o fechamento intermitente e arbitrário” da fronteira pelo governo do presidente venezuelano, Nicolas Maduro, “agravou a situação de vulnerabilidade das pessoas que esperam para regressar ao país, configurando a sistematização das violações dos seus direitos humanos”.

O governo venezuelano impôs um rigoroso confinamento no país e bloqueou suas fronteiras para evitar o contágio de seus cidadãos por pessoas vindas do exterior. Em outros países que adotaram a mesma política, porém, os nacionais são liberados para retornar à sua nação, desde que cumpram quarentena obrigatória.

Outra questão é a situação daqueles que permanecem em aeroportos e países diferentes devido à pandemia. “O panorama está piorando a cada dia para os venezuelanos que estão encalhados, cuja situação é de total incerteza, sem pronunciamentos favoráveis e sem esperança de poder voltar”, detalha o relatório.

Neste contexto, a OEA pediu à comunidade internacional que “ajude a tornar visível a situação em que os venezuelanos encalhados se encontram”, e que se una para explorar “diferentes vias humanitárias para a proteção dos venezuelanos que tentam exercer o seu direito de regresso ao país”.

Na edição da semana: a importância das reformas para a saúde da economia. E mais: os segredos da advogada que conviveu com QueirozVEJA/VEJA

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

As diferenças entre Bolsonaro e Boris Johnson no enfrentamento da pandemia

O que há em comum e o que separa Jair Bolsonaro de Boris Jonhson? Em comum, há o fato de o primeiro-ministro do Reino Unido...

A politica fiscal e o precipício

Nos próximos dias, o Congresso Nacional deve aprovar uma emenda constitucional que embasará o restabelecimento do auxílio emergencial. Nada mais justo, num momento de...

As dívidas do Detran do Rio com prestadores de serviços

As dívidas do Detran do Rio com prestadores de serviços já somam aproximadamente 70 milhões de reais. Há casos em que os atrasos de...

Lira e o pé esquerdo

Vitorioso no público interno, Arthur Lira como presidente da Câmara vem colecionando derrotas em decorrência da grita do público externo. É a sina de...

‘É preciso parar esse cara’

Editorial de O Estado de S. Paulo (2/3/2021) O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) foi enfático: “É preciso parar esse cara”, disse, em entrevista ao Estado, referindo-se...