De Greta à OMS: as especulações sobre quem vai levar o Nobel da Paz

Apesar da lista dos indicados ser guardada por 50 anos, as especulações sobre quem será laureado com o prêmio Nobel de Paz na sexta-feira, 9, giram em torno da ativista sueca Greta Thunberg, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Arden, instituições como a Organização Mundial da Saúde (OMS) ou as que defendem a liberdade de imprensa. Até mesmo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi indicado para concorrer ao prêmio.

A única coisa que se sabe sobre os candidatos é que, ao todo, são 211 indivíduos e 107 organizações concorrendo, segundo o Instituto Nobel.

A OMS entrou na lista de cotados por conta da resposta à Covid-19. Em sites de aposta, a organização está na frente de nomes como o da ativista ambiental Greta Thunberg. Se laureado, o órgão seria a 12° instituição vinculada à Organização das Nações Unidas (ONU) a ganhar o prêmio.

No entanto, a pandemia só foi declarada no dia 11 de março, e as candidaturas já haviam se encerrado em 21 de janeiro. Outros nomes relacionados ao combate ao coronavírus também são especulados, como a de Arden, mas a questão do prazo implica na nomeação.

As ONGs Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e a americana Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) também são mencionada como possíveis candidatas ao prêmio.  “Acredito que o prêmio pode ir para uma organização que proteja jornalistas, ou para jornalistas em campo”, disse o diretor do Instituto de Pesquisas para a Paz de Oslo (Prio), Henrik Urdal.

Trump também foi indicado, mas a candidatura veio fora do prazo. As expectativas para o americano, no entanto, são baixas. “Donald Trump não fez nada para merecer o prêmio”, afirmou Urdal.

Outros nomes que circulam em Oslo são a ONG Transparência Internacional, a chanceler alemã, Angela Merkel, a afegã Fawzia Koofi, o Programa Mundial de Alimentos (PMA), ou o secretário-geral da ONU António Guterres.

Entre as candidaturas conhecidas, ou presumidas, reveladas por seus “padrinhos”, incluem a população de Hong Kong, a Otan, o cacique brasileiro Raoni Metuktire, o trio Julian Assange-Edward Snowden-Chelsea Manning e o ex-primeiro-ministro grego Alexis Tsipras e seu colega macedônio Zoran Zaev.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

“Como teve lugar isso que nos aconteceu?”, pergunta Idelber Avelar

Em junho de 2013, multidões irritadas foram às ruas protestar contra um irrisório aumento no preço da passagem dos transportes públicos. Logo ficou claro...

Como ficaria a eleição presidencial com a entrada de Lula na disputa

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria 18% das intenções de votos e perderia apenas para o presidente Jair Bolsonaro, que tem...

Com Covid-19 em alta, nenhum estado consegue a taxa mínima de isolamento

Em meio ao avanço da pandemia da Covid-19 pelo país, todos os estados brasileiros estão longe da taxa mínima de isolamento social de 70%...

A volta do nepotismo

Editorial de O Estado de S. Paulo (8/3/2021) Em mais uma mostra de que estão dispostos a privilegiar seus interesses pessoais e os de seus...

O efeito “Bolsocaro”

Pesquisa da agência mineira Quaest sobre popularidade nas redes sociais captou a ponta do que pode ser um iceberg na condução do governo Bolsonaro...