Estados Unidos em 2020: sob nova direção

Capaz de alterar o rumo político não só do próprio país, como de todo o planeta, a eleição presidencial dos Estados Unidos despertou atenção inédita. Acabou se dividindo, como de resto quase tudo, em antes e depois da pandemia. De líder nas pesquisas, impulsionado pela economia em alta e gestos barulhentos na política internacional, Donald Trump se viu caindo sem parar nas intenções de voto, empurrado ladeira abaixo pela péssima gestão da crise do vírus, pela paralisação econômica e pelo desemprego recorde. Aconteceu o que pouca gente previa no início de 2020: embalado pelo sentimento anti-Trump, o democrata Joe Biden, senador de 78 anos que foi vice de Barack Obama, ganhou a eleição. Entre pouco mais da metade dos eleitores americanos que votaram nele, e também ao redor do mundo, ergueu-se um tonitruante suspiro de alívio pelo restabelecimento da potência americana tal qual ela era conhecida antes da motoniveladora trumpista — que é pouco criativa, narcisista, com apreço a autocratas e propagadora de avalanches de tuítes mal-educados, em letras maiúsculas. A Casa Branca passa a ser comandada por um sujeito universalmente tido como simpático e boa-praça, casado com uma educadora, Jill, com ph.D. em sua área e emprego fixo (que pretende manter).

Espera-se que Biden ponha de pé um governo que, pelo menos neste primeiro momento, será a exata antítese da era Trump. Prevê-se a reversão das hostilidades contra imigrantes, a volta dos Estados Unidos ao Acordo Climático de Paris e a implementação de políticas duras para controlar a pandemia, que grassa à solta no país campeão em contágios e mortes. Até a briga com a China, a pontapés no mandato que acaba, deve continuar, porém mais respeitosa. A equipe que entra conta com um número inédito de mulheres e negros, um latino no comando da política de imigração e uma militar trans na assessoria do Departamento de Defesa. Sem falar na vice, Kamala Harris, filha de pai jamaicano e mãe indiana, primeira mulher a ocupar o posto, ás da comunicação nas redes e, ao que tudo indica, figura central nos próximos quatro anos — ao fim dos quais, se tudo correr nos conformes, sairá candidata à Presidência. Kamala Harris versus Donald Trump (que anda prometendo voltar) — essa disputa promete.

Publicado em VEJA de 30 de dezembro de 2020, edição nº 2719

Ultimas notícias

Câmara dos Deputados adia votação da PEC da Imunidade Parlamentar

Sem garantias de aprovação do texto, a Câmara dos Deputados adiou, na noite desta quinta-feira, 25, a votação da Proposta de Emenda à Constituição...

Bolsonaro diz que auxílio deve voltar em março, com parcelas de R$ 250

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 25, durante sua tradicional live semanal nas redes sociais, que o valor do novo auxílio emergencial a...

‘Mind the gap’: não caia no buraco

Roberto Castello Branco, ex-presidente da Petrobras, surpreendeu analistas do mercado financeiro aparecendo em uma reunião envergando uma camiseta com os dizeres “mind the gap”....

Doria vai inaugurar escritórios em Munique e Nova York até fim de 2021

O governo de João Doria (PSDB) planeja abrir dois escritórios internacionais em Munique, na Alemanha, e em Nova York, nos Estados Unidos, até o...

A vacina rachadinha

Existe uma vacina que está avançado a passos céleres no Brasil, a que vai imunizar o filho mais velho do presidente, o senador Flavio...