EUA impõem sanções à Rússia por ciberataques nas eleições de 2020

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira, 15, uma série de novas sanções contra a Rússia em resposta a supostos ciberataques com intuito de interferir no resultado das eleições presidenciais de 2020. Com 32 entidades russas como alvo, o presidente Joe Biden detalhou que pretende impedir “atividades nocivas” vindas do país.

As medidas incluem expulsão de diplomatas e proíbem a compra de ações e títulos em rublos, a moeda russa, por instituições financeiras americanas a partir de junho.

Esta é a segunda maior rodada de sanções dos Estados contra o governo de Vladimir Putin. O governo Biden já havia anunciado punições no mês passado, depois que autoridades russas foram conectadas ao envenenamento de Alexei Navalny, maior opositor ao Kremlin. A Rússia diz que não teve participação no incidente.

Na terça-feira 13, em telefonema com Putin, Biden disse que “agiria com firmeza” na defesa dos interesses nacionais americanos, mas propôs um encontro “em um terceiro país” para que os líderes conversassem e encontrassem áreas para trabalharem juntos.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, já disse que as sanções – que ele descreveu como ilegais – seriam um impeditivo para os planos de uma cúpula.

Interferência eleitoral

No ano passado, os Estados Unidos descobriram que a empresa SolarWinds, que fornece softwares para diversas outras companhias – foi hackeada. A brecha deu acesso aos hackers a 18.000 redes de computadores privadas e governamentais, onde obtiveram arquivos digitais de várias agências do governo, como o Tesouro, a Justiça e os departamentos de Estado.

A inteligência americana acredita que a Rússia está por trás do ataque, e agora devem acusar formalmente a inteligência russa – que negou qualquer envolvimento.

Contudo, a história sugere que as sanções não devem surtir muito efeito para controlar a atividade de espionagem virtual russa. Segundo a emissora BBC, o pacote de medidas de Biden serve mais como um sinal de que o novo governo vai adotar uma linha mais dura do que a do ex-presidente Donald Trump.

Leia Também:

  • Cinco pontos que Pazuello precisará explicar na CPI da Pandemia.
  • STF confirma liminar de Barroso que determinou criação da CPI da Covid-19.
  • Partidos indicam membros para CPI da Covid-19 no Senado.
  • Sputnik V: o que ainda trava a chegada da vacina russa no Brasil.
  • Covid-19: doze estados e DF têm taxa de mortalidade maior que a nacional.
  • General Silva e Luna vai ganhar mais que Castello Branco na Petrobras?
  • Com Acordo de Paris, petróleo vai a US$ 10 em 2050, diz consultoria.
Continua após a publicidade

Ultimas notícias

O que a CPI da Covid quer de Ludhmila Hajjar

Uma nova participação na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid deve reforçar a tese de que o governo escolhe os ministros da Saúde...

Com Lula na disputa, Ciro fica em empate técnico com Huck, Doria e Amoêdo

A entrada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na corrida presidencial de 2022, permitida pelo Supremo Tribunal Federal ao anular suas condenações na...

Bolsonaro em Porto Velho: ‘Meu Exército, minha Marinha, minha Aeronáutica’

O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar o isolamento social contra o novo coronavírus adotado por estados e municípios e a ameaçar tomar medidas...

Pesquisa: como ficaria a disputa presidencial de 2022 sem Moro no páreo

Decidido a não disputar a eleição presidencial de 2022, como informou a coluna Radar na edição de VEJA desta semana o ex-juiz e ex-ministro da...

Cláudio Castro mantém silêncio sobre operação de polícia no Rio

Passadas mais de 24 horas da operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro, na favela do Jacarezinho, na Zona Norte da capital, que...