Facebook bloqueia divulgação e compartilhamento de notícias na Austrália

Nesta quinta-feira, 18, os usuários australianos do Facebook foram surpreendidos por uma restrição com a qual não contavam ao abrir a rede social. Eles foram impedidos pela empresa de tecnologia de compartilhar links de notícias. Até o governo, que condenou duramente a medida, foi afetado em comunicações ligadas ao combate à pandemia e outros serviços essenciais. Trata-se de mais um round numa disputa que tem se intensificado no país: a necessidade de gigantes como a plataforma criada por Mark Zuckerberg e o Google pagarem às organizações de imprensa pelo conteúdo compartilhado em suas páginas.

Os órgão de imprensa australianos não conseguiam publicar reportagens no Facebook e as pessoas que tentaram compartilhar notícias receberam mensagens automáticas dizendo que estavam impedidas de fazê-lo. “Esta postagem não pode ser compartilhada”, avisa o site. “Em resposta à legislação do governo australiano, o Facebook restringe a postagem de links de notícias e todas as postagens de páginas de notícias na Austrália. Globalmente, a postagem e o compartilhamento de links de notícias de publicações australianas são restritos.”

A Câmara dos Representantes aprovou na quarta-feira um projeto do governo, o Código de Negociação da Mídia de Notícias, que obriga empresas de tecnologia a pagarem pelo jornalismo australiano. Pela legislação, as plataformas digitais e as empresas de mídia podem negociar livremente o pagamento de um determinado valor. Caso não haja um entendimento, esse valor será definido por lei. Logo depois, tanto o Google quanto o Facebook ameaçaram retaliar. A legislação ainda deve ser ratificada pelo Senado para se tornar lei.

O Facebook emitiu na quarta-feira um comunicado assinado por William Easton, responsável pela Facebook na Austrália e Nova Zelândia, no qual diz que a proposta de lei australiana interpreta mal a relação entre a plataforma e os editores que a usam para compartilhar os conteúdos noticiosos: “Isso deixa-nos diante de uma escolha difícil: tentar cumprir uma lei que ignora a realidade desse relacionamento ou parar de permitir conteúdos noticiosos nos nossos serviços na Austrália. É com um peso no coração que escolhemos a última hipótese”.

Sobre as páginas governamentais, de emergência, meteorologia ou de caridade que foram indevidamente bloqueadas, o porta-voz da empresa garante que a funcionalidade desses sites afetados será restabelecida em breve.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, atacou a proibição imposta ao país em sua própria página no Facebook: “As ações do Facebook para afastar a Austrália hoje, cortando os serviços de informação essenciais sobre saúde e serviços de emergência, foram tão arrogantes quanto decepcionantes. Essas ações só vão confirmar as preocupações que um número cada vez maior de países expressam sobre o comportamento das empresas BigTech que se consideram maiores do que governos e que as regras não devem se aplicar a elas. Eles podem estar mudando o mundo, mas isso não significa que eles o comandem. Não seremos intimidados pela BigTech tentando pressionar nosso Parlamento.”

A News Corp. chegou a um acordo com a Alphabet Inc, que controla o Google. Pelo contrato de três anos, a empresa de mídia australiana controlada por Rupert Murdoch anunciou que receberá “pagamentos substanciais” da empresa de tecnologia. A mesma negociação foi feita com organizações de notícias de peso em todo o mundo de língua inglesa, como The Wall Street Journal e New York Post, nos EUA, o Times e o Sun, no Reino Unido, e The Australian e Sky News, na Austrália.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Frase do dia

“Qual o interesse dos demagogos? Eles pensam: está todo mundo cansado de ficar em casa, vou dizer que pode sair, que pare com essa...

Charge do Amarildo

Humor

Fachin nega pedido de Edir Macedo para retomar ação contra Haddad

Não prosperou, ao menos por enquanto, a tentativa do bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus, de retomar um processo...

A imunidade, a impunidade e a bandidagem

Editorial de O Estado de S. Paulo (27/2/2021) Um Estado Democrático de Direito protege necessariamente os membros do Legislativo. Não há Congresso independente se os...

“Gato na Tuba” e Petrobras: CVM investiga (por Vitor Hugo Soares)

Eu me lembro da marchinha “Gato na Tuba” ao ler a notícia de que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu o segundo processo...