Facebook diz que voltará a divulgar e compartilhar notícias na Austrália

O embate entre Facebook e o governo australiano sobre a legislação que obriga as empresas de tecnologia a pagar às empresas de mídia por conteúdo está próximo de chegar ao fim. Em meio a um debate público e midiático, as partes conversaram e, nesta terça-feira, 23, a rede social anunciou que vai restaurar as páginas de notícias e o compartilhamento de links de veículos de comunicação no país.

“Após conversas adicionais, estamos satisfeitos que o governo australiano tenha concordado com um número de mudanças e garantias que endereçam nossas principais preocupações, ao permitir que acordos comerciais reconheçam o valor que as plataformas oferecem aos publishers em relação ao valor que elas recebem deles”, escreveu William Easton, diretor-geral do Facebook Austrália e Nova Zelândia, no blog da empresa.

O governo australiano e o Facebook confirmaram que concordaram com um ajuste na legislação que obriga a rede social e o Google a pagar pelas notícias exibidas em suas páginas. A cooperação da big tech é uma vitória para os australianos. A empresa impediu que usuários do país acessassem e compartilhassem notícias na semana passada, depois que a Câmara dos Representantes aprovou o projeto de lei na quarta-feira.

Na nova versão, a legislação daria às plataformas digitais um aviso prévio de um mês antes de serem formalmente acionadas. Isso daria aos envolvidos mais tempo para negociar acordos antes de serem obrigados a entrar na arbitragem exigida pela lei. De início, o bloqueio de notícias do Facebook cortou o acesso – pelo menos temporariamente – a páginas do governo relacionadas à pandemia, saúde pública e serviços de emergência, gerando indignação pública.

Um comunicado na terça-feira por Campbell Brown, vice-presidente do Facebook para parcerias de notícias, disse que o acordo permite que a empresa escolha quais companhias de mídia apoiará, incluindo as pequenas e locais. “Estaremos restaurando notícias no Facebook na Austrália nos próximos dias. Daqui para frente, o governo esclareceu que manteremos a capacidade de decidir que tipo de notícia aparece no Facebook para que não fiquemos automaticamente sujeitos a uma negociação forçada”, disse Brown.

O secretário do Tesouro australiano, Josh Frydenberg, descreveu as alterações acordadas como “esclarecimentos” da intenção do governo. Ele disse que suas negociações com o presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, foram “difíceis”. “Facebook e Google não escondem o fato de que sabem que os olhos do mundo estão na Austrália e é por isso que procuraram obter uma lei aqui que seja viável”, disse ele, referindo-se ao Código de Negociação da Mídia de Notícias proposto.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Desembargador do TRF1 revoga prisão domiciliar de Eduardo Cunha

O desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), sediado em Brasília, revogou nesta quinta-feira, 6, a prisão domiciliar do ex-presidente...

Visita de Onyx a Pazuello é considerada um erro no Planalto

A notícia de que o general Eduardo Pazuello recebeu o ministro Onyx Lorenzoni nesta quinta-feira — revelada pelo Estadão dois dias depois de o...

Lewandoski rejeita suspender julgamento do governador de SC

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, rejeitou nesta quinta-feira o pedido de um deputado estadual de Santa Catarina para suspender o julgamento do impeachment...

Queiroga pisa em ovos

Do depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI da Pandemia, emergiu a evidência de que ele não tem autonomia para tomar decisões...

Assessor de Bolsonaro critica STF e diz estar pronto para ‘guerra’

Praticamente inseparável de Jair Bolsonaro, o assessor especial do presidente Max Guilherme Machado de Moura fez nesta quinta-feira um ataque direto aos ministros do...