Facebook diz que voltará a divulgar e compartilhar notícias na Austrália

O embate entre Facebook e o governo australiano sobre a legislação que obriga as empresas de tecnologia a pagar às empresas de mídia por conteúdo está próximo de chegar ao fim. Em meio a um debate público e midiático, as partes conversaram e, nesta terça-feira, 23, a rede social anunciou que vai restaurar as páginas de notícias e o compartilhamento de links de veículos de comunicação no país.

“Após conversas adicionais, estamos satisfeitos que o governo australiano tenha concordado com um número de mudanças e garantias que endereçam nossas principais preocupações, ao permitir que acordos comerciais reconheçam o valor que as plataformas oferecem aos publishers em relação ao valor que elas recebem deles”, escreveu William Easton, diretor-geral do Facebook Austrália e Nova Zelândia, no blog da empresa.

O governo australiano e o Facebook confirmaram que concordaram com um ajuste na legislação que obriga a rede social e o Google a pagar pelas notícias exibidas em suas páginas. A cooperação da big tech é uma vitória para os australianos. A empresa impediu que usuários do país acessassem e compartilhassem notícias na semana passada, depois que a Câmara dos Representantes aprovou o projeto de lei na quarta-feira.

Na nova versão, a legislação daria às plataformas digitais um aviso prévio de um mês antes de serem formalmente acionadas. Isso daria aos envolvidos mais tempo para negociar acordos antes de serem obrigados a entrar na arbitragem exigida pela lei. De início, o bloqueio de notícias do Facebook cortou o acesso – pelo menos temporariamente – a páginas do governo relacionadas à pandemia, saúde pública e serviços de emergência, gerando indignação pública.

Um comunicado na terça-feira por Campbell Brown, vice-presidente do Facebook para parcerias de notícias, disse que o acordo permite que a empresa escolha quais companhias de mídia apoiará, incluindo as pequenas e locais. “Estaremos restaurando notícias no Facebook na Austrália nos próximos dias. Daqui para frente, o governo esclareceu que manteremos a capacidade de decidir que tipo de notícia aparece no Facebook para que não fiquemos automaticamente sujeitos a uma negociação forçada”, disse Brown.

O secretário do Tesouro australiano, Josh Frydenberg, descreveu as alterações acordadas como “esclarecimentos” da intenção do governo. Ele disse que suas negociações com o presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, foram “difíceis”. “Facebook e Google não escondem o fato de que sabem que os olhos do mundo estão na Austrália e é por isso que procuraram obter uma lei aqui que seja viável”, disse ele, referindo-se ao Código de Negociação da Mídia de Notícias proposto.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

O Brasil dança à beira do precipício

Felizmente, não deu certo. Mas Arthur Lira tentou aprovar, de roldão, a PEC da Impunidade — e chegou perto de conseguir. Mas o assunto não está...

ONU vê envolvimento de Putin em envenenamento de opositor

A Organização das Nações Unidas indicou que as provas encontradas no envenenamento do líder da oposição russa, Alexei Navalny, apontam para um provável envolvimento...

“A democracia brasileira está sob ataque”, diz Fachin na OAB

O ministro Luís Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira, 1º, que “a democracia brasileira está sob ataque”. “Se vamos tratar...

Guedes e os idos de março

Na tragédia Julio Cesar, William Shakespeare descreve as intrigas, ambições e disputas de poder que cercam o general romano e o Senado em 44...

O que Bolsonaro quer

O Brasil se tornou um dos piores países do mundo para se estar durante a pandemia do coronavírus. Não apenas a mortalidade per capita...