G7 se compromete com imposto mundial de ao menos 15% para grandes empresas

Os ministros das Finanças do G7, o grupo dos sete países mais ricos do mundo, se comprometeram neste sábado, 5, com a imposição de um imposto mínimo global para grandes empresas e corporações. O acordo estipula a adoção de uma alíquota mínima global de pelo menos 15%, segundo um comunicado divulgado após uma reunião de dois dias em Londres.

O compromisso alcançado foi descrito como “histórico” pelo ministro das Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, que presidiu a reunião. “Após anos de discussão, os ministros das finanças do G7 chegaram a um acordo histórico para reformar o sistema tributário global para torná-lo mais adequado à era digital global”, disse.

O texto final do comunicado também menciona o compromisso com uma melhor distribuição dos direitos de tributar os lucros das grandes multinacionais, principalmente as digitais e americanas, de acordo com a agência de notícias AFP.

O acordo entre Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Japão, Estados Unidos e Canadá deve ser usado como base para a discussão de um acordo mais abrangente sobre o tema na reunião do G20, que será realizada em julho em Veneza. Depois disso, segue para negociações que acontecem entre cerca de 140 países, por meio da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

“É uma má notícia para os paraísos fiscais em todo o mundo. As empresas não poderão mais fugir de suas obrigações tributárias transferindo habilmente seus lucros para países com baixa tributação”, disse o ministro alemão das Finanças, Olaf Scholz.

O compromisso também é um grande avanço para o governo do presidente americano Joe Biden, que vem impulsionando por uma reforma tributária em seu próprio país e no resto do mundo. O democrata propõs o aumento da alíquota dos grandes conglomerados subiria de 21% para 28% ao ano nos Estados Unidos.

O imposto mínimo global é um pilar fundamental do megaplano de gastos de 6 trilhões de dólares de Biden. A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, é uma das principais defensoras do projeto de aumento da alíquota sobre grandes empresas em todo o mundo.

Ultimas notícias

Castro, Witzel e Martha Rocha trocam acusações por mortes e vacina no Rio

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 500 mil mortos por Covid-19, três políticos do Rio de Janeiro bateram boca nas...

Clássicos serão excluídos da biblioteca da Fundação Palmares

Em 1933, os nazistas queimaram montanhas de livros em praças da Alemanha. Entre os desafetos do regime de Adolf Hitler estavam autores como Bertolt...

500 mil mortos e o silêncio do presidente

Quinhentos mil mortos por Covid-19. Silêncio. Comedimento. Reticência. Sigilo. Taciturnidade. Placitude. Indiferença. Boca-de-siri. Aglossia. Sopor. Mudez. Moderação. Moderação? Logo o presidente? Enquanto o país precisava...

Empresários “lançam” Sergio Moro como a candidato a presidente

Um grupo de empresários do Paraná prepara uma campanha em favor da candidatura do ex-ministro da Justiça Sergio Moro à Presidência da República. Segundo...