Google ameaça desabilitar ferramenta de buscas na Austrália

Nesta sexta-feira, 22, o Google ameaçou de retirar sua ferramenta de busca do ar na Austrália caso o país não modifique uma proposta de lei que, se aprovada, forçaria a multinacional a pagar a empresas de comunicação pelo conteúdo veiculado na plataforma.

A proposta elaborada e apoiada pelo governo do primeiro-ministro conservador, Scott Morrison, é um “código de conduta vinculante” que quer regular as relações entre os meios de comunicação e as empresas que dominam a internet, como Google e Facebook, porque captam grande parte da receita publicitária.

A diretora-geral do Google Austrália, Mel Silva, declarou nesta sexta-feira diante de uma comissão do Senado que o “pior cenário” seria se o código fosse aprovado em sua versão atual, o que incentivaria o gigante tecnológico a suspender seus serviços de busca na Austrália. “Se esta versão do código se tornar lei, não teremos escolha a não ser suspender o Google Search na Austrália”, alertou Silva.

“A Austrália é quem estabelece as regras do que pode ser feito na Austrália. É o nosso Parlamento que decide”, declarou Morrison. “Pessoas que desejam trabalhar dentro dessa estrutura na Austrália são bem-vindas. Mas não cedemos a ameaças”.

O argumento do governo para a legislação é a de que essas empresas ficaram com grande parte do mercado publicitário dentro da internet no país. A cada 100 dólares australianos (cerca de 418 reais) gastos no país em publicidade na internet, 81 vão para o Google e Facebook, segundo a BBC News.

Segundo dados apresentados pelo governo, os meios de comunicação tradicionais perderam, ao todo, 75% da receita publicitária desde 2005. A crise na imprensa australiana se agravou com a pandemia de Covid-19, quando dezenas de jornais foram fechados e centenas de jornalistas ficaram desempregados.

A primeira versão do código prevê que o Google e o Facebook remunerem os meios de comunicações australianos, seja o grupo público ABC ou os jornais do grupo News Corp de Rupert Murdoch, pelo uso de seu conteúdo. O governo tem apenas Facebook e Google como alvos, e não outras plataformas muito populares como o Instagram ou o YouTube.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Quem desconhece o passado é incapaz de enxergar o futuro

Que país é este onde a Independência foi proclamada por um estrangeiro e a República por um general monarquista? Onde um presidente se suicida...

Charge do Amarildo

Humor

O Brasil dança à beira do precipício

Felizmente, não deu certo. Mas Arthur Lira tentou aprovar, de roldão, a PEC da Impunidade — e chegou perto de conseguir. Mas o assunto não está...

ONU vê envolvimento de Putin em envenenamento de opositor

A Organização das Nações Unidas indicou que as provas encontradas no envenenamento do líder da oposição russa, Alexei Navalny, apontam para um provável envolvimento...

“A democracia brasileira está sob ataque”, diz Fachin na OAB

O ministro Luís Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira, 1º, que “a democracia brasileira está sob ataque”. “Se vamos tratar...