Juiz dos EUA define acusação de homicídio culposo no caso George Floyd

O juiz Peter Cahill, do estado de Minnesota, nos Estados Unidos, anunciou nesta quinta-feira, 22, que manterá oito das nove acusações contra os policiais envolvidos no assassinato de George Floyd. O principal crime teria sido cometido por Derek Chauvin, indiciado por homicídio culposo e homicídio não-premeditado, enquanto os três outros réus foram imputados por cumplicidade com o ato.

Cahill, no entanto, retirou a acusação de “homicídio de terceiro grau”, crime que, nos Estados Unidos, é mais leve que o homicídio culposo. Segundo o juiz, esse crime só pode ser sustentado em situações em que “as ações do réu foram eminentemente perigosas para outras pessoas, e não especificamente dirigidas à pessoa que morreu”.

As evidências mostram que as ações de Chauvin não foram “eminentemente perigosas” para qualquer pessoa além de Floyd, disse Cahill.

O procurador-geral de Minnesota, Keith Ellison, encarregado do processo, disse que a decisão é “um passo em direção à justiça para George Floyd, sua família, nossa comunidade e Minnesota”. Agora, o caso deverá ser apresentado a um júri, que deve decidir se o estado de Minnesota provou a culpa dos ex-policiais.

Chauvin responde em liberdade, após pagar uma fiança no valor de 1 milhão de dólares (mais de 5,5 milhões de reais) no início deste mês, sob condições de que não volte a trabalhar na área de segurança pública, abdique das licenças para usar armas de fogo e mantenha-se longe da família de Floyd. Se condenado, pode ser sentenciado até 40 anos de prisão.

Ele foi demitido das forças policiais após a viralização de um vídeo de sua abordagem a George Floyd no dia 25 de maio deste ano, sob suspeita de ter usado uma nota falsificada de 20 dólares. O ex-policial ajoelhou no pescoço do civil por quase oito minutos, enquanto o afro-americano dizia sucessivamente que não conseguia respirar. O incidente gerou uma onda de protestos nos Estados Unidos e muitos outros países, inclusive no Brasil, contra o racismo e a violência policial.

Os outros três agentes presentes na abordagem, Tou Thao, Thomas Lane e J. Alexander Kueng, foram acusados ​​de auxiliar e de ser cúmplices de homicídio culposo e de homicídio não-premeditado. Na decisão emitida nesta quarta-feira, Cahill também negou os pedidos para retirar as acusações contra os réus.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Como ficaria a eleição presidencial com a entrada de Lula na disputa

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria 18% das intenções de votos e perderia apenas para o presidente Jair Bolsonaro, que tem...

Com Covid-19 em alta, nenhum estado consegue a taxa mínima de isolamento

Em meio ao avanço da pandemia da Covid-19 pelo país, todos os estados brasileiros estão longe da taxa mínima de isolamento social de 70%...

A volta do nepotismo

Editorial de O Estado de S. Paulo (8/3/2021) Em mais uma mostra de que estão dispostos a privilegiar seus interesses pessoais e os de seus...

O efeito “Bolsocaro”

Pesquisa da agência mineira Quaest sobre popularidade nas redes sociais captou a ponta do que pode ser um iceberg na condução do governo Bolsonaro...

As palavras que Bolsonaro nunca pronunciará (por Juan Arias)

O vocabulário do presidente Jair Bolsonaro é muito restrito, talvez porque ele nunca tenha lido. Em seu dicionário pessoal só existem insultos, palavras obscenas, ameaças, zombarias....