Netanyahu toma vacina contra Covid-19 e inicia a campanha em Israel

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu foi o primeiro chefe de estado a ser vacinado contra a Covid-19. Neste sábado, ele recebeu a primeira dose do imunizante e deu início à campanha de vacinação no país. Israel vai utilizar doses produzidas pela Pfizer, em parceria com o laboratório alemão BioNTech.

Uma pequena dose por pessoa, um grande passo para a saúde de todos nós”, disse Netanyahu.  em seu Twitter ao postar uma foto sendo imunizado. Segundo ele, a vacinação é importante para que as famílias voltem a se reunir com segurança e que a economia local possa reabrir os negócios. O país pretende vacinar 2 milhões de pessoas até o fim de janeiro, com a aplicação de 60 mil doses por dia. Mais de 370.000 pessoas testaram positivo para o coronavírus em Israel desde que houve o primeiro caso da doença em fevereiro e 3 mil pessoas morreram em decorrência da doença. 

Netanyahu tem 71 anos e  foi vacinado no Hospital Sheba, localizado em Ramat Gan, perto de Tel Aviv. Ao ser o primeiro a tomar a vacina, o primeiro-ministro tenta sinalizar a segurança do imunizante, já que poucos israelenses se mostram favoráveis à imunização. Uma pesquisa realizada pela Universidade de Haifa revelou que menos de um quinto da população — 20,3% dos judeus e 16% dos árabes — se mostram dispostos a tomar a vacina logo no início. “Pedi para ser vacinado primeiro, junto do ministro da Saúde, Yuli Edelstein, para dar o exemplo e os encorajar a serem vacinados”, disse Netanyahu.

 

Para estimular a imunização em massa, o país estuda implantar um “passaporte verde”, que sinaliza quem está imunizado ou não contra a Covid. A ideia é que, com esse documento, as pessoas que foram vacinadas possam frequentar eventos e centros comerciais. Um passaporte para imunização foi citado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, como uma das soluções para uma ampla vacinação facultativa. O Brasil ainda não tem previsão de início de campanha de vacinação.

Netanyahu é um dos aliados internacionais do presidente Jair Bolsonaro. O chefe do executivo brasileiro disse que não irá tomar a vacina. Segundo ele, para a vacinação, será necessário que as pessoas assinem um termo de responsabilidade. Nos Estados Unidos, o atual vice-presidente, Mike Pence, foi vacinado ao vivo na sexta-feira, enquanto que o presidente eleito, Joe Biden, receberá a dose na segunda-feira.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

ONU vê envolvimento de Putin em envenenamento de opositor

A Organização das Nações Unidas indicou que as provas encontradas no envenenamento do líder da oposição russa, Alexei Navalny, apontam para um provável envolvimento...

“A democracia brasileira está sob ataque”, diz Fachin na OAB

O ministro Luís Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira, 1º, que “a democracia brasileira está sob ataque”. “Se vamos tratar...

Guedes e os idos de março

Na tragédia Julio Cesar, William Shakespeare descreve as intrigas, ambições e disputas de poder que cercam o general romano e o Senado em 44...

O que Bolsonaro quer

O Brasil se tornou um dos piores países do mundo para se estar durante a pandemia do coronavírus. Não apenas a mortalidade per capita...

Curva de aprendizagem na Câmara (por Alon Feuerwerker)

E o novo comando da Câmara dos Deputados vai percorrendo sua curva de aprendizagem. Ela tem um formato de leves semelhanças com os trechos...