Paquistão bloqueia Tinder por veicular conteúdo ‘imoral’ e ‘indecente’

O Paquistão bloqueou nesta terça-feira, 1, o acesso ao Tinder e outros quatro aplicativos de namoro porque estariam veiculando conteúdo que o governo considera “imoral” e “indecente”. A medida ocorre poucos dias depois que autoridades ameaçaram proibir a plataforma de vídeos YouTube por motivos semelhantes.

A Autoridade de Telecomunicações do Paquistão (PTA) anunciou que impediu usuários de acessar os aplicativos Tinder, Grindr, SayHi, Tagged e Skout, porque essas redes sociais não conseguiram “moderar seu conteúdo” de acordo com as leis do país. Segundo a agência reguladora, as empresas não responderam aos avisos dentro do prazo estipulado.

O órgão afirmou que os aplicativos podem solicitar o fim do bloqueios se mostrarem que estão “regulando o conteúdo indecente e imoral, por meio de um engajamento significativo”. Contudo, não especificou o que quer dizer com “engajamento”.

Dados da empresa de análise Sensor Tower mostram que o Tinder foi baixado mais de 440.000 vezes no Paquistão nos últimos 12 meses. Grindr, Tagged e SayHi foram baixados cerca de 300.000 vezes e o Skout 100.000 vezes no mesmo período.

Shahzad Ahmad, diretor do grupo de direitos digitais Bytes For All, criticou o “policiamento moral” do Paquistão.

Continua após a publicidade

“Se adultos optam por usar um aplicativo, não cabe ao Estado ditar se eles devem usá-lo ou não”, disse.

Na semana passada, a PTA pediu ao YouTube para “bloquear imediatamente conteúdo vulgar, indecente, imoral, com nudez e discurso de ódio para visualização no Paquistão”. A medida foi criticada por ativistas de direitos humanos, que temem a crescente censura e controle sobre a internet e a mídia no país.

Além disso, em julho, as autoridades emitiram um ultimato contra o aplicativo de propriedade chinesa TikTok, ordenando que filtrasse conteúdos obscenos. O aplicativo de transmissões ao vivo Bigo Live foi bloqueado por 10 dias pelo mesmo motivo.

O Paquistão, segundo maior país de maioria muçulmana do mundo depois da Indonésia, impõe inúmeras restrições à liberdade de expressão, muitas vezes em nome do Islã ou da segurança nacional. O país proíbe relações extraconjugais e a homossexualidade.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Desembargador do TRF1 revoga prisão domiciliar de Eduardo Cunha

O desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), sediado em Brasília, revogou nesta quinta-feira, 6, a prisão domiciliar do ex-presidente...

Visita de Onyx a Pazuello é considerada um erro no Planalto

A notícia de que o general Eduardo Pazuello recebeu o ministro Onyx Lorenzoni nesta quinta-feira — revelada pelo Estadão dois dias depois de o...

Lewandoski rejeita suspender julgamento do governador de SC

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, rejeitou nesta quinta-feira o pedido de um deputado estadual de Santa Catarina para suspender o julgamento do impeachment...

Queiroga pisa em ovos

Do depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI da Pandemia, emergiu a evidência de que ele não tem autonomia para tomar decisões...

Assessor de Bolsonaro critica STF e diz estar pronto para ‘guerra’

Praticamente inseparável de Jair Bolsonaro, o assessor especial do presidente Max Guilherme Machado de Moura fez nesta quinta-feira um ataque direto aos ministros do...