Paraguaios pedem renúncia do presidente por má gestão da pandemia

Milhares de paraguaios tomaram as ruas da capital, Assunção, na noite da última sexta-feira (5), para protestar contra o governo do presidente Mario Abdo Benítez. Os paraguaios culpam o governo federal pela má gestão da pandemia do coronavírus. 

O Paraguai vive uma escalada na pandemia, somando 164.310 casos e 3.250 mortos por covid-19.

O presidente Mario Abdo Benítez vem sendo responsabilizado pela falta de medicamentos nos hospitais e as UTIs lotadas. A imprensa paraguaia também denuncia roubo de insumos, complicando ainda mais a situação. 

A vacinação também segue em ritmo lento.  Sob pressão, o ministro da Saúde, Julio Mazzoleni, renunciou na tarde da última sexta-feira. 

Houve uma série de confrontos com a polícia e os manifestantes chegaram a incendiar o prédio do Ministério da Fazenda. Segundo a imprensa local, ao menos 20 pessoas ficaram feridas.

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Irã classifica apagão em usina nuclear de Natanz como “ato terrorista”

A usina atômica de Natanz, no Irã, sofreu um blecaute na manhã deste domingo. As autoridades iranianas classificaram o incidente como um ato de...

Grupos religiosos protestam contra decisão do STF sobre cultos e missas

Grupos religiosos fizeram neste domingo um protesto em frente ao Congresso Nacional contra a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de garantir a...

Igreja Católica da Austrália paga indenização milionária a vítima de abuso

Um homem de 58 anos cuja identidade não foi revelada vai receber uma indenização de 1,5 milhão de dólares australianos (cerca de 6,5 milhões...

O que Bolsonaro é, segundo Marta Suplicy

O que disse Marta Suplicy, ex-prefeita de São Paulo, sobre o presidente Jair Bolsonaro em entrevista ao programa  Manhattan Connection, na TV Cultura. https://youtube.com/watch?v=iq_HayFJl30&feature=oembed Mais lidasBrasilBrasilA...

Pandemia não anula a Constituição

Editorial de O Estado de S. Paulo (11/4/2021) Nenhuma circunstância excepcional, nem mesmo a maior crise de saúde em um século, justifica que se ignore...