Quando acaba diplomacia, ‘tem que ter pólvora’, diz Bolsonaro sobre Biden

Em meio às falas do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, de que o Brasil pode sofrer consequências econômicas caso não atue de forma mais firme para combater as queimadas e o desmatamento na Amazônia, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira, 10, que “apenas pela diplomacia” não é possível chegar a um consenso nesta situação. “Depois que acaba a saliva, tem que ter pólvora. Não precisa nem usar a pólvora, mas tem que saber que tem”, disse o presidente, sem citar nominalmente o ex-vice-presidente.

“Assistimos há pouco um grande candidato a chefia de Estado dizendo que, se eu não apagar o fogo da Amazônia, ele vai levantar barreiras comerciais contra o Brasil”, afirmou, em evento para a retomada do Turismo no Brasil. “Apenas pela diplomacia não dá. Não é, Ernesto?”, citando o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araujo.

Declarado vencedor no último sábado, 7, o democrata tem recebido cumprimentos e felicitações de diversos chefes de Estado, como o francês Emmanuel Macron e a alemã Angela Merkel, mas ainda não teve a vitória reconhecida pelo governo brasileiro.

Continua após a publicidade

Em entrevista recente à Americas Quarterly, antes de ser eleito, Biden afirmou que, caso chegasse à Presidência, sua administração “reunirá o mundo” para pressionar o governo brasileiro a proteger a Amazônia.

“Os incêndios que varreram a Amazônia no verão passado foram devastadores e provocaram uma ação global para interromper a destruição e apoiar o reflorestamento antes que seja tarde demais”, disse, ao ser questionado se os Estados Unidos deveriam tomar algum tipo de ação caso o Brasil falhe na proteção da floresta.

O presidente Bolsonaro deve saber que se o Brasil deixar de ser um guardião responsável da Floresta Amazônica, minha administração reunirá o mundo para garantir que o meio ambiente seja protegido”, afirmou Biden ao site da publicação. 

A publicação ainda perguntou ao democrata se sua administração seria favorável a acordos de livre-comércio com países latino-americanos, especialmente com o Brasil. O candidato afirmou que qualquer negociação de pacto deverá garantir a criação de empregos nos Estados Unidos, proteção dos trabalhadores americanos e levar em conta as preocupações com o meio ambiente.

Esta não é a primeira vez que Bolsonaro responde à fala de Biden. Na semana passada, a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, o presidente reforçou seu apoio ao presidente Donald Trump e citou uma possível interferência do democrata em assuntos brasileiros.

“O candidato democrata, em duas oportunidades, falou sobre a Amazônia. Aí sim uma interferência de fora para dentro”, questionou Bolsonaro.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

O lockdown de Ibaneis virou um frouxo toque de recolher

Há governadores que pensam como Bolsonaro quanto a deixar o coronavírus agir até que infecte mais de 70% dos brasileiros e a pandemia comece...

Frase do dia

“Qual o interesse dos demagogos? Eles pensam: está todo mundo cansado de ficar em casa, vou dizer que pode sair, que pare com essa...

Charge do Amarildo

Humor

Fachin nega pedido de Edir Macedo para retomar ação contra Haddad

Não prosperou, ao menos por enquanto, a tentativa do bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus, de retomar um processo...

A imunidade, a impunidade e a bandidagem

Editorial de O Estado de S. Paulo (27/2/2021) Um Estado Democrático de Direito protege necessariamente os membros do Legislativo. Não há Congresso independente se os...