Suspensão de aulas afetará economia global até fim do século, diz OCDE

Em um novo relatório, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) alertou que a suspensão das atividades escolares provocada pela pandemia de Covid-19 deve provocar fortes impactos na economia mundial, que podem durar até o fim do século. Segundo economistas que participaram do estudo, divulgado nesta terça-feira, 8, a suspensão pode levar a uma perda de, em média, 1,5% na economia global durante este período.

“A perda de aprendizado levará à perda de habilidades, e as habilidades que as pessoas têm se relacionam com sua produtividade”, afirma o estudo. Para o cenário pós-pandemia na educação, o relatório prevê que o investimento mundial na educação irá declinar mais rápido do que durante a crise de 2008, uma vez que os governos precisam lidar com orçamentos mais enxutos e priorizar outras áreas.

As consequências de uma nova quarentena seriam ainda piores para a economia global, segundo o estudo, que estima uma redução do crescimento mundial de 6% em 2020. A falta de estudos acarreta na falta de mão de obra qualificada. 

Na edição da semana: a importância das reformas para a saúde da economia. E mais: os segredos da advogada que conviveu com QueirozVEJA/VEJA

Segundo a organização, a pandemia de Covid-19  também expõe a fragilidade dos sistemas econômicos construídos nos países.

“A crise de saúde que estamos experimentando sem dúvidas terá impacto no desemprego, e aqueles com baixa instrução educacional podem ser os mais vulneráveis”.

No Brasil, as escolas e universidades estão parcialmente fechadas desde março, com algumas cidades e estados já retomando as aulas presenciais. No entanto, a dúvida sobre como e com quais medidas a serem adotadas para melhorar a segurança devem ser adotadas é recorrente.

O relatório também coloca luz sobre a situação no Brasil: 30% dos jovens entre 20 e 24 anos não estudam ou trabalham. O número é maior do que em 2009, quando 25% das pessoas dentro da faixa etária não estavam no mercado de trabalho ou em salas de aula.

Enquanto em Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Grécia, Itália, México, África do Sul e Turquia a cifra desses jovens é de 20%, somente o Brasil, a Dinamarca e a Grécia registraram um aumento nos últimos dez anos.

Em média, 15,2% dos jovens nos países que compõem a OCDE se encontram nessa situação. O número, no entanto, é um dos menores já registrados desde os anos 2000, e segue uma tendência de queda durante os anos de recuperação pós crise econômica de 2008. Segundo o relatório, os jovens em sala de aula possuem uma chance melhor de ficarem ativos economicamente.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Desembargador do TRF1 revoga prisão domiciliar de Eduardo Cunha

O desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), sediado em Brasília, revogou nesta quinta-feira, 6, a prisão domiciliar do ex-presidente...

Visita de Onyx a Pazuello é considerada um erro no Planalto

A notícia de que o general Eduardo Pazuello recebeu o ministro Onyx Lorenzoni nesta quinta-feira — revelada pelo Estadão dois dias depois de o...

Lewandoski rejeita suspender julgamento do governador de SC

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, rejeitou nesta quinta-feira o pedido de um deputado estadual de Santa Catarina para suspender o julgamento do impeachment...

Queiroga pisa em ovos

Do depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI da Pandemia, emergiu a evidência de que ele não tem autonomia para tomar decisões...

Assessor de Bolsonaro critica STF e diz estar pronto para ‘guerra’

Praticamente inseparável de Jair Bolsonaro, o assessor especial do presidente Max Guilherme Machado de Moura fez nesta quinta-feira um ataque direto aos ministros do...