Trump e Biden trocam acusações sobre violência em protestos antirracismo

A cidade de Portland, nos Estados Unidos, se transformou no epicentro dos protestos antirracismo no país. Após dias de manifestações que resultaram em ao menos três mortes, o presidente Donald Trump e seu rival democrata Joe Biden trocaram acusações sobre a causa da violência.

O republicano culpa os democratas por incentivar os protestos e diz que se Biden for eleito a violência será corriqueira. Afirma ainda que polícia irá perder todo seu financiamento e poder. No domingo 30, Trump acusou tanto o ex-vice-presidente de Barack Obama quanto o prefeito democrata de Portland, Ted Wheeler, de serem incompetentes. “Isto não é o que nosso grande país quer. As pessoas querem segurança e não que a polícia perca o financiamento”.

Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemiaVEJA/VEJA

Trump também acusa Wheeler de não deixar que a Guarda Nacional interfira nos protestos, apesar do presidente ter enviado as tropas para guardarem as fachadas de prédios federais.

O prefeito de Portland respondeu o presidente durante uma coletiva de imprensa. “Se pergunta, seriamente, senhor presidente, por que é a primeira vez em décadas que os Estados Unidos vivem este nível de violência?”, questionou Wheeler. “Você que criou o ódio e a divisão.” O prefeito ainda acusou o presidente de usar as cenas de vandalismo e violências nas manifestações como plataforma eleitoral para a reeleição.

Biden também acusou o governo de Donald Trump de incitar a violência contra as minorias. “Você está seguro nos Estados Unidos de Donald Trump?”, diz campanha do democrata. O ex-vice-presidente deverá fazer um pronunciamento ainda nesta segunda-feira, 31, para responder as acusações de Trump.

Continua após a publicidade

Protestos cada vez mais violentos

Além da pandemia de Covid-19, os Estados Unidos vivem as maiores manifestações contra o racismo desde 1968, ano do assassinato de Martin Luther King. Tudo começou com a morte de George Floyd, que mesmo rendido foi fatalmente asfixiado por policiais brancos. A morte de Breonna Taylor, que foi atingida por oito tiros disparados por policias que invadiram seu apartamento em Louisville em março, também incentivou os atos.

Os protestos voltaram com força na semana passada após o afrodescendente Jacob Blake ser atingido à queima roupa com sete tiros disparados por um policial branco em Kenosha, no estado de Wisconsin. Blake foi alvejado pelas costas na frente de seus filhos pequenos enquanto caminhava para seu carro e pode ficar paraplégico.

Durante as manifestações em Wisconsin, um adolescente branco de 17 anos matou duas pessoas e feriu outra na última semana. No sábado 29, um apoiador de Trump foi morto a tiros durante outra manifestação em Portland. Na mesma noite de sábado, uma caravana de apoiares do presidente entrou na cidade atirando balas de paintball e spray de pimenta contra os participantes do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam, em português).

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

As diferenças entre Bolsonaro e Boris Johnson no enfrentamento da pandemia

O que há em comum e o que separa Jair Bolsonaro de Boris Jonhson? Em comum, há o fato de o primeiro-ministro do Reino Unido...

A politica fiscal e o precipício

Nos próximos dias, o Congresso Nacional deve aprovar uma emenda constitucional que embasará o restabelecimento do auxílio emergencial. Nada mais justo, num momento de...

As dívidas do Detran do Rio com prestadores de serviços

As dívidas do Detran do Rio com prestadores de serviços já somam aproximadamente 70 milhões de reais. Há casos em que os atrasos de...

Lira e o pé esquerdo

Vitorioso no público interno, Arthur Lira como presidente da Câmara vem colecionando derrotas em decorrência da grita do público externo. É a sina de...

‘É preciso parar esse cara’

Editorial de O Estado de S. Paulo (2/3/2021) O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) foi enfático: “É preciso parar esse cara”, disse, em entrevista ao Estado, referindo-se...