Twitter recua após censurar reportagem contra Biden

Após bloquear a propagação de uma reportagem do  jornal americano New York Post contra Joe Biden, o Twitter voltou atrás e anunciou novas regras sobre material oriundo de hackers.

A censura causou uma intenso debate nas redes dos Estados Unidos na última quinta-feira 15, quando o Twitter freou a divulgação da matéria, que continha dados vazados por hackers. O presidente Donald Trump chegou a acusar o Twitter de estar interferindo nas eleições.

A reportagem censurada relata um computador abandonado em Delawere, estado em que Biden mora e onde já foi senador, continha e-mails de Hunter Biden, filho do ex-vice-presidente, em que usava sua influência em uma empresa ucraniana investigada por corrupção com o objetivo de interferir nas eleições de 2016.

Repetido exaustivamente por Trump, o “escândalo da Ucrania” não encontrou voz nas Inteligência dos Estados Unidos, ao contrário da interferência russa, em que Moscou teria interferido em prol do republicano. Como resultado, a investigação levou para cadeia aliados próximos do presidente.

“Nas últimas 24 horas, nós recebemos importantes críticas (positivas e negativas) sobre como aplicamos ontem a nossa política sobre materiais hackeados. Após termos refletido sobre as críticas, decidimos realizar mudanças nas políticas e em como vamos aplicá-la”, disse Gadde.

Gadde disse que as regras foram introduzidas em 2018 para “desencorajar e mitigar danos associados hackeamentos e exposições não autorizadas de informações privadas”. Ela disse ainda que isso causou consequências não intencionais para com jornalistas, delatores e outros usuários numa maneira contrária ao propósito do Twitter em ajudar no debate publico.

Continua após a publicidade

A partir de agora, o Twitter não removerá conteúdos hackeados a menos que sejam compartilhados por hackers ou aqueles que agem em conluio com eles. E posts poderão receber um selo avisando sobre o contexto daquela mensagem, em vez de ser excluido.

A prática do selo começou a ser utilizada pelo Twitter neste ano, em primeiro momento em postagens de Trump que continham desinformação. Ao clicar, o usuário é lavado para uma página na qual a empresa reúne diversas fontes de checagem de fatos. O próximo passo da rede social foi rotular se uma determinada conta está associada a um governo específico, para ajudar o leitor a identificar o viés daquela informação.

Na quinta, o Twitter sofreu com uma instabilidade que o tirou do ar. Após voltar ao, Trump postou em sua conta um texto de um site de paródias dizendo que a empresa havia tirado o site do ar somente para evitar as críticas a Biden.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Desembargador do TRF1 revoga prisão domiciliar de Eduardo Cunha

O desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), sediado em Brasília, revogou nesta quinta-feira, 6, a prisão domiciliar do ex-presidente...

Visita de Onyx a Pazuello é considerada um erro no Planalto

A notícia de que o general Eduardo Pazuello recebeu o ministro Onyx Lorenzoni nesta quinta-feira — revelada pelo Estadão dois dias depois de o...

Lewandoski rejeita suspender julgamento do governador de SC

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, rejeitou nesta quinta-feira o pedido de um deputado estadual de Santa Catarina para suspender o julgamento do impeachment...

Queiroga pisa em ovos

Do depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI da Pandemia, emergiu a evidência de que ele não tem autonomia para tomar decisões...

Assessor de Bolsonaro critica STF e diz estar pronto para ‘guerra’

Praticamente inseparável de Jair Bolsonaro, o assessor especial do presidente Max Guilherme Machado de Moura fez nesta quinta-feira um ataque direto aos ministros do...