Twitter recua após censurar reportagem contra Biden

Após bloquear a propagação de uma reportagem do  jornal americano New York Post contra Joe Biden, o Twitter voltou atrás e anunciou novas regras sobre material oriundo de hackers.

A censura causou uma intenso debate nas redes dos Estados Unidos na última quinta-feira 15, quando o Twitter freou a divulgação da matéria, que continha dados vazados por hackers. O presidente Donald Trump chegou a acusar o Twitter de estar interferindo nas eleições.

A reportagem censurada relata um computador abandonado em Delawere, estado em que Biden mora e onde já foi senador, continha e-mails de Hunter Biden, filho do ex-vice-presidente, em que usava sua influência em uma empresa ucraniana investigada por corrupção com o objetivo de interferir nas eleições de 2016.

Repetido exaustivamente por Trump, o “escândalo da Ucrania” não encontrou voz nas Inteligência dos Estados Unidos, ao contrário da interferência russa, em que Moscou teria interferido em prol do republicano. Como resultado, a investigação levou para cadeia aliados próximos do presidente.

“Nas últimas 24 horas, nós recebemos importantes críticas (positivas e negativas) sobre como aplicamos ontem a nossa política sobre materiais hackeados. Após termos refletido sobre as críticas, decidimos realizar mudanças nas políticas e em como vamos aplicá-la”, disse Gadde.

Gadde disse que as regras foram introduzidas em 2018 para “desencorajar e mitigar danos associados hackeamentos e exposições não autorizadas de informações privadas”. Ela disse ainda que isso causou consequências não intencionais para com jornalistas, delatores e outros usuários numa maneira contrária ao propósito do Twitter em ajudar no debate publico.

Continua após a publicidade

A partir de agora, o Twitter não removerá conteúdos hackeados a menos que sejam compartilhados por hackers ou aqueles que agem em conluio com eles. E posts poderão receber um selo avisando sobre o contexto daquela mensagem, em vez de ser excluido.

A prática do selo começou a ser utilizada pelo Twitter neste ano, em primeiro momento em postagens de Trump que continham desinformação. Ao clicar, o usuário é lavado para uma página na qual a empresa reúne diversas fontes de checagem de fatos. O próximo passo da rede social foi rotular se uma determinada conta está associada a um governo específico, para ajudar o leitor a identificar o viés daquela informação.

Na quinta, o Twitter sofreu com uma instabilidade que o tirou do ar. Após voltar ao, Trump postou em sua conta um texto de um site de paródias dizendo que a empresa havia tirado o site do ar somente para evitar as críticas a Biden.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

As diferenças entre Bolsonaro e Boris Johnson no enfrentamento da pandemia

O que há em comum e o que separa Jair Bolsonaro de Boris Jonhson? Em comum, há o fato de o primeiro-ministro do Reino Unido...

A politica fiscal e o precipício

Nos próximos dias, o Congresso Nacional deve aprovar uma emenda constitucional que embasará o restabelecimento do auxílio emergencial. Nada mais justo, num momento de...

As dívidas do Detran do Rio com prestadores de serviços

As dívidas do Detran do Rio com prestadores de serviços já somam aproximadamente 70 milhões de reais. Há casos em que os atrasos de...

Lira e o pé esquerdo

Vitorioso no público interno, Arthur Lira como presidente da Câmara vem colecionando derrotas em decorrência da grita do público externo. É a sina de...

‘É preciso parar esse cara’

Editorial de O Estado de S. Paulo (2/3/2021) O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) foi enfático: “É preciso parar esse cara”, disse, em entrevista ao Estado, referindo-se...