Fernando Siqueira Carvalho comenta sobre a extinta VASP (Viação Aérea São Paulo)

A VASP conta a história não só da aviação, mas também de São Paulo, conta Fernando Siqueira Carvalho, entusiasta e apaixonado pela aviação e pela terra da Garoa. Fundada em 1933, a VASP (Viação Aérea São Paulo) foi uma importante linha aérea para o país. Os primeiros dois bimotores da companhia tinham capacidade para apenas 3 passageiros e partiam da cidade de São Paulo, mais precisamente no Campo de Marte, com destino a São José do Rio Preto e Uberaba, possuindo conexão na cidade de São Carlos e Ribeirão Preto, para cada voo, respectivamente.

Contudo, o aeródromo Campo de Marte não oferecia infraestrutura necessária aos voos, por isso, em razão dessa falta de estrutura, se fez necessário investimentos externos a fim de melhorias. Dessa forma, após os investimentos ofertados, o Governo Estadual adquiriu mais de 90% da empresa. Posteriormente a esse incentivo, a empresa apresenta um novo modelo de aeronave em sua frota: o Junker. Com essa obtenção ilustre, apresenta, em 1936, a linha de São Paulo, partindo do aeroporto de Congonhas à cidade do Rio de Janeiro e, no ano seguinte, para a cidade de Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais.

A partir de 1953, a empresa já operava na média de 15 voos diários entre a cidade do Rio de Janeiro e a cidade de São Paulo, fato este importantíssimo, visto que exibia uma regularidade e solidez na companhia. Deu-se então, um novo rumo aos voos domésticos, descreve Fernando Siqueira Carvalho. Dessa forma, tornou- se uma das maiores companhias aéreas em território nacional.

Ao longo de sua história, a VASP comprou inúmeras empresas aéreas como a Loide Aereo, Aerolloyd Iguassu e Aerovias Brasil, assumiu rotas de outras companhias ou as criou. Adquiriu cada vez mais importância no cenário nacional e, posteriormente, internacional. De início com voos para Atenas, na Grécia; Casablanca, em Marrocos; Frankfurt, na Alemanha e Osaka, no Japão, dá um outro passo em relação à globalização da companhia.

Este boom de crescimento e desenvolvimento tem um fim em 2005 por conta do histórico de quedas percentuais em relação aos voos internacionais e até voos domésticos, a empresa acumulou dívidas fiscais e trabalhistas, dessa forma, a pedido do MP de São Paulo e dos Sindicatos envolvendo a aviação, a empresa fecha as portas. Com sua frota dividida em três linhas aéreas: GOL, VARIG e TAM, as quais faziam o maior sucesso na época (existentes até hoje – salvo a VARIG), até hoje a extinta empresa possui planos de voltar à ativa, conta Fernando Siqueira Carvalho à nossa redação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Ultimas notícias

Ameaçar é crime

Editorial de O Estado de S. Paulo (14/4/2021) O presidente Jair Bolsonaro gosta de falar de liberdade. Em seus discursos, coloca-se como uma espécie de...

Randolfe Rodrigues: ‘A CPI não vai investigar pessoas, mas os fatos’

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) foi o requerente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19, que irá investigar o combate à pandemia do...

PF produziu perícia para ajudar Moro e procuradores (por Márcio Chaer)

Um sargento morreu por causa da explosão de uma bomba dentro do automóvel em que estava e que arrebentou também grande parte da barriga...

Livro não é luxo

Por Vitor Tavares, Diego Drumond, Hubert Alquéres e Luciano Monteiro: Jorge Amado, um dos maiores escritores da literatura brasileira, estaria atônito com a intenção do...

Por acaso, polícia italiana resgata na Bélgica estátua do século I

Por uma sorte do destino, dois policiais italianos do esquadrão especializado em crimes relacionados à arte estavam passeando em um antiquário, na Bélgica, após...