Os riscos de Arthur Lira na proteção a Bolsonaro

O deputado Arthur Lira (PP-AL) assistiu aos ataques de Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal, por razões particulares — a proteção da parentela sob investigação em múltiplos inquéritos criminais.

Ao comentá-los, ontem, o presidente da Câmara, que é réu em processos no STF, tratou a crise institucional como se fosse corriqueira. Não é trivial um presidente da República anunciar, em praça pública, a intenção de não cumprir a Constituição, de desobedecer ordens judiciais e de exigir que juízes sejam “enquadrados”.

No Supremo, observou-se que Lira não fez um único aceno solidário aos juízes atacados. Circunscreveu a crise a Bolsonaro e o STF, como se o Congresso estivesse fora do alvo.

Quando Lira chegou à Câmara, em 1995, Bolsonaro já contava dois anos fazendo o mesmo discurso. Subia à tribuna e receitava “um curto período de exceção, que incluiria, entre outras medidas, o fechamento temporário do Congresso e a suspensão das prerrogativas do Legislativo por seis meses.”

Lira, ontem, se mostrou condescendente com Bolsonaro, que lhe entregou o controle de uma fatia de cerca de R$ 19 bilhões num obscuro orçamento paralelo. Se apresentou como negociador de saída para crise, embora seja parte interessada.

Na proteção excessiva a Bolsonaro, Lira se arrisca ao descrédito na presidência da Câmara, além da  combustão da biografia.

Ultimas notícias

Senador Romário é submetido a cirurgia em hospital do Rio

O ex-jogador de futebol senador Romário (PL-RJ) foi submetido, nesta quinta-feira, 9, a uma cirurgia, no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada em...

STF suspende novamente julgamento sobre terras indígenas

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu novamente o julgamento que analisa a validade da tese sobre o marco temporal para demarcações de terras indígenas....

Câmara aprova novo Código Eleitoral, mas exclui quarentena a juízes

O texto-base do novo código eleitoral em tramitação na Câmara dos Deputados foi aprovado nesta quinta-feira, 9, pelo plenário da Casa por ampla maioria,...

Restos mortais de vítimas do 11 de setembro são identificados após 20 anos

Por 20 anos, o consultório médico legista da cidade de Nova York conduziu discretamente a maior investigação de pessoas desaparecidas já realizada no país —...

Ter mais tempo livre não aumenta necessariamente o bem-estar

Ter muito tempo livre não é sinônimo de bem-estar. É o que dizem pesquisadores da Universidade da Pensilvânia em estudo publicado no Journal of...