A aula do ministro da Saúde

Editorial de O Estado de S. Paulo (23/4/2021)

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse na terça-feira que o Brasil estaria numa situação bem melhor se a população estivesse seguindo os protocolos sanitários para conter a pandemia de covid-19. Queiroga deu essas declarações a integrantes da Confederação Nacional de Municípios, mas bem que poderia fazer essa mesma preleção para seu próprio chefe, o presidente Jair Bolsonaro.

“Se a população estivesse usando máscaras, mantendo o distanciamento, evitando aglomerações, se houvesse um programa de testagem mais adequado, isolamento de casos positivos e dos seus contactantes, se fizéssemos a disciplina dos transportes urbanos e para o funcionamento dos setores estratégicos, os senhores podem ter certeza de que não estaríamos vivendo o momento que estamos vivendo hoje”, explicou, didaticamente, o ministro Queiroga.

A declaração do ministro da Saúde prima pela obviedade. Desde o início da pandemia, lá se vai mais de um ano, já se sabe que a única forma de evitar a contaminação é manter a população em isolamento. Já se sabe também que o uso de máscaras é determinante para impedir a proliferação do vírus entre aqueles que, por um motivo ou outro, precisam sair de casa. Também é do conhecimento de todos, há muito tempo, que é preciso fazer testagem ampla e sistemática para identificar focos de contaminação e isolar os casos detectados.

Queiroga, convém recordar, é o quarto ministro da Saúde do governo Bolsonaro. Mais do que isso: é o quarto ministro dentro do período da pandemia, justamente quando era mais necessário um planejamento sólido do Ministério da Saúde para o enfrentamento da doença. Nada disso é possível quando, a cada troca de ministro, se trocam também os principais assessores e mudam as diretrizes.

Continua após a publicidade

Para piorar, sabe-se muito bem que Bolsonaro fez suas tantas mudanças no Ministério da Saúde não na tentativa de melhorar o trabalho da pasta, mas sim de subjugá-la a seus propósitos eleitoreiros e a suas extravagâncias pessoais. Descontente com ministros que defendiam medidas duras e impopulares para combater o vírus, o presidente preferiu dar ouvidos aos negacionistas que insistiam em minimizar a pandemia e não sossegou enquanto não encontrou um sabujo que lhe dedicasse integral vassalagem.

Esse dócil ministro, o intendente Eduardo Pazuello, fez exatamente o que o presidente dele esperava, colaborando de maneira decisiva para atrasar a vacinação e para ignorar a tarefa central do Ministério da Saúde, que é a de coordenar os esforços nacionais contra a pandemia.

Diante do recrudescimento da pandemia, Bolsonaro cedeu à pressão das forças políticas que o sustentam e, muito a contragosto, demitiu Pazuello. Para seu lugar, o presidente escolheu o médico Marcelo Queiroga – que, se pouco está fazendo para reparar o descalabro que seu antecessor deixou, ao menos dá declarações sensatas, como as que fez à Confederação Nacional de Municípios.

Na ocasião, o ministro, talvez de modo involuntário, praticamente forneceu à CPI da Covid um roteiro pronto e acabado para as investigações. Quando citou a falta de incentivo para o uso de máscaras e para evitar aglomerações, o ministro expôs o comportamento inconsequente do presidente Bolsonaro, que raramente aparece de máscara e frequentemente incita aglomerações. Quando mencionou a importância de um “programa de testagem mais adequado”, trouxe à memória o caso do desperdício de 3,7 milhões de testes que o Ministério deixou vencer e também o fato de que o governo abandonou as metas de testagem, já que não conseguiu cumprir nenhuma. Por fim, quando citou a necessidade de isolamento, o ministro evidenciou a notória irresponsabilidade do presidente, que faz campanha sistemática contra o distanciamento social.

O ministro Queiroga aproveitou o ensejo para informar que, mais de 380 mil mortos depois, o Ministério da Saúde finalmente fará uma “orientação geral” sobre o uso de máscaras e outras medidas preventivas. Pode até ser uma iniciativa honesta, mas, depois de um ano de negacionismo, de sabotagem e de desorientação criminosa por parte do governo e do presidente Bolsonaro, soa como piada de mau gosto.

ResponderResponder a todosEncaminhar

 

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

O que a CPI da Covid quer de Ludhmila Hajjar

Uma nova participação na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid deve reforçar a tese de que o governo escolhe os ministros da Saúde...

Com Lula na disputa, Ciro fica em empate técnico com Huck, Doria e Amoêdo

A entrada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na corrida presidencial de 2022, permitida pelo Supremo Tribunal Federal ao anular suas condenações na...

Bolsonaro em Porto Velho: ‘Meu Exército, minha Marinha, minha Aeronáutica’

O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar o isolamento social contra o novo coronavírus adotado por estados e municípios e a ameaçar tomar medidas...

Pesquisa: como ficaria a disputa presidencial de 2022 sem Moro no páreo

Decidido a não disputar a eleição presidencial de 2022, como informou a coluna Radar na edição de VEJA desta semana o ex-juiz e ex-ministro da...

Cláudio Castro mantém silêncio sobre operação de polícia no Rio

Passadas mais de 24 horas da operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro, na favela do Jacarezinho, na Zona Norte da capital, que...