A avaliação “péssima” de Bolsonaro é seu maior problema

* Em coautoria com Tiago Garrido

Convencionou-se acertadamente que a melhor divulgação de pesquisas é a que soma as avaliações ótimo e bom assim como o ruim com o péssimo. Todavia, em algumas situações – como a que vivemos agora – é adequado separar o ruim do péssimo. Sabemos que ambas são avaliações negativas, a vantagem de separá-las tem a ver com a intensidade, com a força da avaliação negativa. O péssimo é uma avaliação negativa mais intensa que o ruim.

Estudos adequados são feitos quando se comparam bananas com bananas e laranjas com laranjas. Assim, se tomarmos o terceiro ano do primeiro mandato de nossos presidentes veremos que Bolsonaro é aquele que não apenas tem a mais elevada soma de ruim e péssimo, como também a maior proporção de avaliações “péssimo”. Em maio de 1997, terceiro ano do Governo Fernando Henrique, sua avaliação era de apenas 18% de ruim e péssimo. Também em maio, só que em 2005, Lula pontuava somente 24% de ruim e péssimo. Dilma se assemelha a Bolsonaro nesta medida, ela teve 37% de ruim e péssimo ao passo que Bolsonaro atingiu, pela pesquisa do Ipec, 39%. A grande diferença entre os dois governantes, todavia, está no tamanho do péssimo: em Bolsonaro é de 30% ao passo que em Dilma foi de 22%, uma diferença grande de oito pontos percentuais.

A Dilma desta avaliação negativa (obtida junto ao banco de dados do CESOP) já havia passado pela Copa das Confederações e, portanto, por protestos que, exigindo serviços públicos de qualidade, tomaram conta do Brasil. Todos sabem que ela sofreu um aumento vertiginoso em sua avaliação negativa no primeiro semestre de 2013, tendo se livrado de parte desta avaliação durante o longo período que é encerrado na eleição de 2014.

Hoje, no Brasil, nada menos do que um terço do eleitorado acha o Governo Bolsonaro péssimo, é muita gente, um eleitorado que coloca quem ele desejar no segundo turno, e que facilmente poderá ser mobilizado para derrotar o Presidente na rodada final da eleição. Contudo, sabemos que quem avalia ruim também vota majoritariamente no principal candidato de oposição, provavelmente Lula, e quem avalia regular acaba fazendo o mesmo, particularmente quando a avaliação negativa é tão intensa como esta.

A tarefa de Bolsonaro é árdua, ele precisa não apenas diminuir a proporção de sua avaliação negativa, mas também sua intensidade. O problema é que se esta intensidade perdurar por muito tempo, ela acabará por deixar ferimentos e cicatrizes em um eleitorado que, justamente por causa disso, poderá não votar nele. E isso é bom para o principal candidato de oposição.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Bolsonaro questiona Queiroga: ‘Tem doenças que não matam mais ninguém’

O presidente Jair Bolsonaro disse, em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada nesta sexta-feira, 16, que pediu ao ministro da Saúde,...

Entre Lira e Guedes, Bolsonaro escolhe Lira, diz ministro

O prognóstico de um ministro próximo ao presidente Jair Bolsonaro dá a dimensão do potencial de estrago da crise da sanção do Orçamento de...

“Se eu entregar a cabeça do PG, a próxima que vão pedir vai ser a minha”

O presidente Jair Bolsonaro tem ouvido repetidas queixas dos líderes do Congresso sobre o comportamento do ministro da Economia, Paulo Guedes. Desde que, no...

Entidade de delegados ataca interferência política e pede PF ‘republicana’

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) divulgou nota nesta sexta-feira, 16, na qual critica a pressão política sobre a PF, defende...

O vírus da ingovernabilidade no Brasil (por Antônio Carlos de Medeiros)

Uma fonte que acompanha os bastidores do Senado Federal me disse que a situação em Brasília está de vaca não reconhecer bezerro. Um panorama...