A conspiração contra as eleições

A mais eficiente arma eleitoral de Jair Bolsonaro para permanecer no poder a partir de 2023 não é a encomenda atrasada de milhões de doses de vacinas contra Covid-19, o novo projeto de Bolsa Família ou o apoio dos partidos do Centrão à reeleição, mas uma teoria da conspiração: a de que o sistema eleitoral é suscetível à fraude.

Fantasiada de dar mais transparência ao processo, a defesa da impressão do voto da urna eletrônica faz parte da estratégia bolsonarista criada para colocar em dúvida a legitimidade das eleições e contestar uma eventual derrota nas urnas.

Pesquisa PoderData feita duas semanas atrás mostra que 46% dos brasileiros rejeitam a ideia de um comprovante impresso do voto eletrônico nas eleições, mas espantosos 40% dos entrevistados são a favor. É um dado surpreendente em um país que não tem registro de fraude eleitoral desde a implantação das urnas eletrônicas em 1996 (descontado o choro de menino minado de Aécio Neves em 2014 que ele mesmo confessou ter sido “para encher o saco”). Para comparar: feita com cédulas de papel, a eleição no Rio de Janeiro de 1994, anterior à instalação das urnas eletrônicas, teve tanta fraude que foi anulada por unanimidade pelo Tribunal Regional Eleitoral e os eleitores precisaram comparecer de novo às urnas.

A fonte natural da teoria de conspiração é Bolsonaro. Em 7 de janeiro, no seu primeiro comentário sobre a tentativa de golpe no Capitólio, nos Estados Unidos, o presidente deu razão aos invasores que tentavam impedir a formalização da eleição de Joe Biden: “Se nós não tivermos o voto impresso em 2022, uma maneira de auditar o voto, nós vamos ter problema pior que os Estados Unidos”. Em ato pró-governo em maio, em Brasília, Bolsonaro disse que, se as eleições de 2022 não tiverem voto “auditável”, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva pode ganhar “pela fraude”.

Levantamento feito pela Diretoria de Acompanhamento de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (DAPP-FGV, da qual este articulista faz parte) mostrou a evolução de sete anos de postagens sobre fraudes eleitorais nas mídias sociais, o mais completo dossiê sobre como se propagam as teorias de conspiração. Entre 2014 e 2010, foram analisadas 337.204 publicações que colocavam sob suspeição a lisura das eleições. Os vídeos no Youtube sobre supostas fraudes eleitorais alcançaram 23,8 milhões de visualizações, sendo que vários deles eram manipulações óbvias, como apontou o TSE. Com a ascensão do bolsonarismo, o compartilhamento dos vídeos aumentou em escala industrial através das correntes de WhatsApp.

Corre na Câmara dos Deputados um projeto que obriga a Justiça Eleitoral a instalar uma impressora em cada urna eletrônica. Pela emenda constitucional da deputada bolsonarista Bia Kicis, cada urna eletrônica irá imprimir uma cópia do voto digitado. O eleitor vai conferir se a cédula impressa corresponde ao voto digitado e depositar essa cópia em uma urna. Se houver alguma suspeita sobre os resultados, as cédulas físicas serão contadas. A emenda não detalha, mas dá a entender que se algum partido pedir a recontagem de votos, o resultado das cédulas físicas terá precedência sobre a urna eletrônica. O projeto é inviável para as eleições de 2022, custaria R$ 2 bilhões para ser implantado, mas o que os bolsonaristas buscam não é melhorar o sistema, mas transformá-lo em mais confuso. O bolsonarismo cresce no barulho.

Em entrevista à Renata Lo Prete, do G1, a antropóloga Isabela Kalil, estudiosa do bolsonarismo, compara a teoria da conspiração sobre fraude nas urnas à uma apólice de seguro de Bolsonaro para o caso de uma derrota em 2022. “Se perder, ele pode dizer que a eleição foi fraudada e assim manter a sua base aquecida. Assim mesmo com uma derrota, ele manteria uma parte do eleitorado a seu lado sem acreditar no sistema”. É a mesma tática usada por Donald Trump. Kalil nota outro aspecto das mensagens nas correntes bolsonaristas, a de que a eleição seria controlada pelos militares, estando acima da Justiça Eleitoral.

Depois da defesa dos golpistas nos EUA e das substituições do ministro da Defesa e dos comandantes das Forças Armadas e da submissão do Exército com a absolvição do general Eduardo Pazuello, seria natural entender a propagação das mentiras sobre fraudes eleitorais como uma preparação para uma tentativa golpe. Em entrevista ao repórter Chistian Kein, do Valor, o historiador Francisco Teixeira, especialista em questões militares, faz uma análise sofisticada:

“Estamos tratando essa crise olhando pelo retrovisor. O modelo de Bolsonaro não é o Brasil de 1964, é a Bolívia de 2019 e a invasão do Capitólio de Washington, em 2021”, afirma, numa referência a tentativas de golpes baseadas na atuação ou na inação das polícias. Para Teixeira, mais do que uma quartelada ao estilo clássico, com tanques na rua, o presidente trabalha para corroer a unidade dos militares para que eles não o atrapalhem em seu projeto autoritário, de não aceitar o resultado eleitoral em caso de derrota em 2022. A ideia da fraude carrega dentro de si a ideia de deslegitimação da democracia.

Ultimas notícias

Criador do antívirus McAffe é encontrado morto em prisão de Barcelona

John McAfee, criador do programa de antivírus para computadores que leva seu sobrenome, foi encontrado morto nesta quarta-feira, 23, em uma cela em Barcelona,...

‘Governo vai desmoronar’, diz Aziz às vésperas de depoimento sobre Covaxin

Presidente da CPI da Pandemia, o senador Omar Aziz (PSD-AM) disse a interlocutores estar convicto de que a comissão de inquérito chegou enfim a...

Mudanças climáticas farão milhões de vítimas, diz relatório da ONU

Um esboço de um relatório do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas (IPCC), um órgão de caráter consultivo da Organização das Nações Unidas para...

Um tiro no Planalto

De duas, uma: ou o Palácio do Planalto tem uma história muito bem contada e comprovada para desmontar a denúncia do deputado Luís Miranda...

Deputado que alertou Bolsonaro sobre Covaxin terá proteção da CPI

Após as entrevistas do deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) sobre o alerta que ele e seu irmão fizeram ao presidente Jair Bolsonaro sobre suspeitas...