A CPI da Covid vai virar CPI da Pfizer

A entrevista do ex-secretário de comunicação do governo Bolsonaro, Fabio Wajngarten, na edição desta semana de VEJA deverá transformar a CPI da Covid na CPI da Pfizer. A Policarpo Junior, Wajngarten confessou ter tentado intermediar a compra de vacinas contra Covid do laboratório Pfizer e culpa seu ex-colega e ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, de ter impedido o negócio. “Houve incompetência e ineficiência”, disse o ex-secretário.

A intenção de Wajngarten ao dar a entrevista foi a de desviar o foco das atenções da CPI do presidente Jair Bolsonaro, mas suas revelações podem apontar um novo caminho de investigação. Como revelou Fernando Rodrigues, do Poder360, existe a suspeita de que advogados ligados ao Palácio do Planalto teriam tentado intermediar a transação cobrando suborno. “A Pfizer não conseguiu vender vacinas para o governo federal porque não aceitou oferecer milhões de argumentos”, escreveu Rodrigues.

O próprio Wajngarten se disse vítima de rumores oriundos do Ministério da Saúde de estar operando como lobista do laboratório. “Foi a gota d’água para eu sair (do governo)”, diz Wajngarten, demitido em maio depois de meses de divergências com seu chefe direto, o ministro das Comunicações, Fabio Faria.

A entrevista a VEJA coloca o próprio ex-secretário em situação delicada. Primeiro porque é pouco crível que Pazuello, conhecido por sua obediência cega a Bolsonaro, teria boicotado uma compra de vacinas sem o conhecimento e, principalmente, a autorização do presidente. Em várias ocasiões ao longo do ano passado, Bolsonaro desfiou suas bravatas contra a compra de vacinas, especialmente da Pfizer.

Sabendo da resistência de Bolsonaro, o que levou Wajngarten a intervir num assunto sobre o qual ele não tinha nenhuma relação? A VEJA, o ex-secretário relata com orgulho como criou um canal direto com a diretoria de Pfizer, negociou redução de preços e detalhes contratuais – tudo sem informar ou envolver o Ministério da Saúde, responsável por todas as compras relacionadas à Covid. E por que fazer isso em paralelo ao ministro Pazuello? “Nunca troquei mais do que um boa-tarde com o ministro Pazuello”, disse Wajngarten. É preciso ser muito ingênuo para acreditar.

A coluna consultou um ex-ministro do STF e quatro ex-ministros da Justiça, Advocacia Geral da União e Controladoria Geral da União para avaliar a entrevista de Wajngarten. Falando em tese, todos afirmaram que o ex-secretário extrapolou as suas funções e pode eventualmente ter cometido crime de advocacia administrativa, que no Código Penal é definido como “patrocinar, direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública, valendo-se da qualidade de funcionário público”.

Em março, depois da forte pressão pública e política, finalmente o governo Bolsonaro encomendou 100 milhões de doses da vacina da Pfizer por U$ 1 bilhão (cerca de R$5,5 bilhões), comprando cada dose a U$ 10.

Wajngarten tentou proteger Bolsonaro, mas na prática abriu um novo viés para os senadores da CPI. Criada para investigar o descalabro da falta de oxigênio nos hospitais em Manaus e a negligência na compra de vacinas, a CPI agora pode seguir o rastro do dinheiro.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

O que a CPI da Covid quer de Ludhmila Hajjar

Uma nova participação na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid deve reforçar a tese de que o governo escolhe os ministros da Saúde...

Com Lula na disputa, Ciro fica em empate técnico com Huck, Doria e Amoêdo

A entrada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na corrida presidencial de 2022, permitida pelo Supremo Tribunal Federal ao anular suas condenações na...

Bolsonaro em Porto Velho: ‘Meu Exército, minha Marinha, minha Aeronáutica’

O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar o isolamento social contra o novo coronavírus adotado por estados e municípios e a ameaçar tomar medidas...

Pesquisa: como ficaria a disputa presidencial de 2022 sem Moro no páreo

Decidido a não disputar a eleição presidencial de 2022, como informou a coluna Radar na edição de VEJA desta semana o ex-juiz e ex-ministro da...

Cláudio Castro mantém silêncio sobre operação de polícia no Rio

Passadas mais de 24 horas da operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro, na favela do Jacarezinho, na Zona Norte da capital, que...