A CPI do ‘Siga o dinheiro’

A CPI da Covid inaugurada hoje no Senado é mais perigosa para o futuro político de Jair Bolsonaro do que os quase 400 mil cadáveres acumulados na sua gestão da pandemia. De uma forma torta, Bolsonaro repartiu a sua responsabilidade sobre as vítimas com os governadores, prefeitos e, óbvio, a letalidade do vírus. É improvável que os senadores descubram algum escândalo novo na política sanitária bolsonarista, baseada na negação da ciência, no boicote às vacinas, no charlatanismo das cloroquinas, na guerrilha digital e no aparelhamento da Polícia Federal contra governadores. Se a CPI apenas concluir que o governo Bolsonaro multiplicou as possibilidades de mortes dos brasileiros não será novidade. O que a CPI pode descobrir, e consequentemente mudar o futuro político de Bolsonaro, é se houve desvio de dinheiro público na compra das vacinas.

Por uma anomalia a ser compreendida pela ciência política, parte considerável do eleitorado brasileiro é capaz de conviver com políticos ditatoriais (como Getúlio Vargas) ou responsáveis por recessões bravas (como Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso e Dilma Rousseff), mas tem um limite, a denúncia de corrupção. Desde o lacerdismo, a moralidade se tornou o cristal que não pode ser trincado na relação de eleitos e eleitores. Vargas foi cercado pelo “mar de lama”. Collor venceu prometeu acabar com os marajás e caiu no escândalo de PC Farias. O PT surgiu como acusando os adversários de serem ratos comendo a bandeira do Brasil e caiu mais pela Lava Jato do que pela recessão de 2014/16.

Bolsonaro foi eleito contra-tudo-que-está-aí e apesar da pandemia, da recessão e das ameaças à democracia, segue com apoio de um terço do eleitorado. Enquanto não tiver uma denúncia de corrupção que o atinja (não aos filhos), o presidente está no jogo.

A CPI pode mudar esse quadro. Como na frase inventado no filme Todos os Homens do Presidente (nunca dita na vida real) a linha será o “siga o dinheiro”. A entrevista do ex-secretário de comunicação Fabio Wajngarten a VEJA deu um roteiro para as investigações, assessores do presidente negociaram com o conhecimento dele a encomenda de mais de R$ 5 bilhões em vacinas da Pfizer. Senadores que participam da CPI ouviram que dois advogados com nomes iniciados por W se apresentaram à Pfizer falando em nome do Planalto para acelerar as compras de vacinas. Os três Ws serão chamados a depor.

A busca por digitais de Bolsonaro em alguma irregularidade será o tom da CPI. Se Bolsonaro for atingido, abre-se espaço para um novo nome na centro-direita nas eleições de 2022. Se não for, se esvanecem as chances de um candidato da Terceira Via (simultaneamente contra Bolsonaro e Lula). Por isso o temor no Planalto é tão evidente. O Planalto tentou trocar o nome dos senadores que participam da comissão, ampliou o foco das investigações para atingir governadores, entrou na Justiça para impedir Renan Calheiros de ser o relator e rompeu com o MDB no Senado. Nada deu certo, por enquanto. O presidente sabe o risco que corre.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Presidente da Anvisa depõe na CPI da Pandemia nesta terça-feira

A CPI da Pandemia retoma o trabalho nesta terça-feira, 11, com o depoimento do presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra...

Sobre o “tratoraço” regimental

A reforma do regimento interno da Câmara dos Deputados, que pode ser votada esta semana, vem sendo chamada por seus críticos de “tratoraço”, em...

Queiroz mostra, mais uma vez, fidelidade ao presidente Bolsonaro

Denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como operador do esquema da rachadinha no gabinete do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) enquanto o filho...

“Acabou a mamata!”, proclamou Jair Bolsonaro

Resistente a compartilhar o poder, Lula aceitou um esquema em que empresas estatais, como a Petrobras, faziam compras desnecessárias e/ou superfaturadas e desviavam dinheiro...

Facebook envia à CPI vídeo apagado de reunião com gafes de Guedes e Ramos

O Facebook atendeu nesta segunda-feira a um requerimento do senador Randolfe Rodrigues e enviou à CPI da Pandemia no Senado um vídeo da reunião...