A CPI machista da covid-19 no Brasil (Por Juan Arias)

A ONU confirmou que as mulheres são as que mais trabalham e se sacrificam para salvar vidas durante a pandemia nos centros de saúde. Além disso, também são elas, no trabalho e nas famílias, que mais sofrem com as consequências da tragédia. Entretanto, no Brasil, na CPI recém-criada no Senado para investigar os possíveis crimes cometidos no que já é considerado um genocídio, entre os 18 membros escolhidos não figura uma única senadora. É o machismo em estado puro.

É verdade que hoje, apesar do aumento das lutas pela defesa dos direitos das mulheres na sociedade e na política, o Brasil está no fim da fila não apenas dos países mais civilizados, mas também de muitos países do continente americano. Enquanto o percentual de mulheres no Senado no Brasil é de 15%, no Chile é de 23%. No Parlamento Europeu a presença da mulher é muito superior, e em cargos de responsabilidade. Lá, o percentual de mulheres é de 40,4%, e 11 dos 22 presidentes de comissões são mulheres. Na maioria dos países europeus, a presença feminina na política já é considerável. Na Suécia, 46,1% do Congresso é feminino. Os louros vão para a Espanha, com 47,4% de mulheres no Congresso e 39% no Senado. E nos últimos governos o número de ministras atingiu 50%.

A mulher chegou tarde à política. Para a mulher conseguir o direito ao voto foram necessárias muitas lutas para superar os preconceitos masculinos de que política é algo para homens. Luciana Oliveira Ramos, pesquisadora da Faculdade de Direito da Fundação Getulio Vargas, disse à BBC Brasil que a desculpa para a escassa presença feminina na política é porque se considera que as mulheres “não expressam nada diferente de seus maridos”.

E, no entanto, política é um substantivo feminino. É a que regula a vida das cidades e das pessoas. E são as mulheres as mais próximas das necessidades das famílias e das cidades. No entanto, nem sequer nos governos locais as mulheres têm o papel que deveriam. No Brasil existe apenas uma governadora e o número de prefeitas ainda é insignificante. É verdade que da Antiguidade até hoje as lutas das mulheres para reivindicar seus direitos ganharam muito espaço. Basta folhear um livro de história para ver o desprezo que tinham pela mulher, por exemplo, os grandes pensadores gregos.

É famosa a afirmação do grande filósofo Aristóteles segundo a qual a mulher é “um homem incompleto”. Segundo o filósofo, o homem é por natureza superior à mulher. “O homem governa e a mulher é governada”, escreveu. Em Roma, a mulher não tinha direito nem mesmo sobre os filhos. Quando alguém nascia, era o pai e não a mãe que decidia se ele deveria viver ou ser sacrificado.

E nem sequer as religiões em que a primeira deusa da história era mulher contribuíram para que a mulher tivesse os mesmos direitos e dignidade humana que os homens. Santo Tomás de Aquino, o teólogo da Igreja mais influente da Idade Média, chegou a duvidar que a mulher tivesse alma. Segundo ele, quando nasce uma mulher é “porque o sêmen era fraco”. A mulher era uma espécie de “monstro da natureza”. E até hoje a mulher, seja no Islã ou no Cristianismo, continua sendo vista como inferior.

No catolicismo, a mulher continua sem poder participar da hierarquia, não pode aceder ao sacerdócio nem votar na eleição do papa e continua sendo vista como uma tentação para o homem. E, no entanto, o judeu Jesus, em uma época em que a mulher não podia ser testemunha em um julgamento nem estudar e a adúltera era condenada à morte, Jesus escandalizou os homens porque estava sempre rodeado de mulheres. E quando foi crucificado, só as mulheres estiveram ao seu lado sob a cruz. Os apóstolos tinham todos desaparecido de medo ou de decepção.

Na Bíblia, no livro de Gênesis, existem duas versões sobre a criação. Uma em que Deus criou o homem e a mulher da mesma forma e outra, a machista, em que primeiro criou o homem e depois, de uma de suas costelas, criou a mulher como propriedade do homem. E é curioso que a versão que as igrejas sempre usam seja a machista.

Continua após a publicidade

No paraíso foi a mulher Eva que enganou e tentou Adão a comer o fruto da árvore proibida. E ainda hoje a mulher, apesar do grande salto cultural que a humanidade deu, é vista na religião como a tentadora do homem e a culpada de todos os males.

É incompreensível que em uma sociedade que já se prepara para conquistar o espaço e sonha em vencer a morte as mulheres ainda continuem sendo deixadas na sarjeta até na política.

A violência doméstica contra a mulher está aumentando durante a pandemia no Brasil e no mundo. Mais uma vez nas costas e no coração da mulher está recaindo a maior parte desta hora de crise e de morte.

Será que os senadores brasileiros ainda não perceberam a importância da mulher em tudo o que diz respeito ao drama da pandemia, deixando-a à margem da CPI?

Não é apenas uma injustiça. É algo que deveria nos envergonhar.

Ninguém vai levantar a voz para condená-lo?

 

(Transcrito do jornal El País)

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Renan sobre Pazuello: “Interrogatório bom busca acusações sobre terceiros”

Investigado por suposta omissão no enfrentamento da pandemia no Amazonas e com uma gestão marcada por polêmicas, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello é...

O futuro de Flávio e da rachadinha nas mãos de Gilmar Mendes

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pretende apresentar ainda neste semestre seu voto no caso que decidirá qual instância da Justiça...

Frase do dia

“Essa amplíssima prerrogativa de que dispõem às Casas Legislativas, em que pese a sua indiscutível relevância como instrumento de fiscalização e controle da administração...

Bombardeio israelense derruba prédio que abrigava agências de notícias

As agências de notícias Al Jazeera e Associated Press reportarem que um bombardeio israelense derrubou neste sábado, 15, o prédio que abrigava seus escritórios...

Em plena pandemia, o governo não conseguiu prever… a pandemia

O Ministério da Economia encerrou a semana com a produção de um clássico sobre a capacidade do governo de prever e administrar uma crise. Em...