A favor do Supremo (Por Joaquim Falcão)

No incerto começo, o governo Bolsonaro tentou. Pregaram: “Bastam um soldado e um cabo para fechar o STF”. Incitaram os quartéis proclamando na sua frente: “Eu sou, realmente, a Constituição”. Hackers ameaçaram a privacidade dos ministros e seus parentes. Estimularam protestos na Praça dos Três Poderes. Pegou o país desprevenido. Assustou a democracia. Mas não deu certo.

Em compensação, revelou parte importante do projeto de poder. Que foi e está sendo construído. Às vezes, na noite das redes. Em vez de Supremo independente, pretende-se Supremo dependente. Apenas aparente. Existe, mas não vive. Quando vive, respira o ar que lhe sopra o Planalto.

Esse projeto é permanente. Só vai parar nas próximas eleições. Vai se agravar enquanto as pesquisas eleitorais, seja da “Folha” ou do Ipespe, mostrarem que Sergio Moro o vence. Moro é sua assombração diurna. Nesse contexto, inserem-se a violência do deputado Daniel Silveira e suas consequências.

De imediato, muda a pauta do Brasil. Ainda que instantaneamente. Antes voltada para vacinas e a incapacidade do governo em lidar com o problema. E a tentativa no Supremo de criminalizar o presidente e seu ministro da Saúde pelas mortes ocorridas. Por algum tempo, a pauta será um possível conflito entre Supremo e Congresso. E violência de militantes extremistas.

Líder não é apenas o que tem mais coragem. Mais força física. Ou é mais inteligente. Líder no século digital é quem cria e comanda o clima. No caso, a pauta do país. O presidente Bolsonaro é obcecado por estar na mídia. Pautá-la e controlá-la.

Bertrand Russell, Prêmio Nobel de Literatura, explica essa obsessão de maneira quase psicanalítica. A vaidade do poder cresce com aquilo que a alimenta. Quanto mais falado for, mais o presidente desejará sê-lo. Mais vaidoso será. Maior o indicador de sua importância.

É quase como criança que precisa de permanente atenção. “Olhem, eu estou aqui!”, “Não se esqueçam de mim!”, “Lembrem-se!”. Seria uma espécie de excitação permanente com o poder. Sempre necessitando da demonstração de potência. Segundo Russell.

Em vez de “eu sou a Constituição”, diria “eu sou a comunicação”.

Desinstitucionalizar e privatizar os órgãos democráticos de controle do poder é objetivo maior. O controle sou eu. O acionista majoritário sou eu. Favor não incomodar.

Infelizmente, enquanto 11 ministros falarem cada um por si e se autodisputarem fora dos autos, contribuirão para essa estratégia.

Continua após a publicidade

Nada mais indicador da neutralização dos órgãos de controle do que o fato de Daniel Silveira dizer já ter sido preso 90 vezes.

Nada mais difícil para a opinião pública entender que a prova ilícita pode ser considerada lícita. Nada mais arriscado do que o Supremo tentar dar o visto como não visto. Como bem alega o ministro Luís Roberto Barroso. De tentar sequestrar a verdade. De esconder imagens com palavras pretensiosamente técnicas.

Violência é gênero. A violência verbal de Daniel Silveira contra o Supremo, por meio de seus ministros, e a psicológica, contra a República, são tipos claros.

Para alguma coisa serviu. Explicitou o incômodo de todos os ministros com a desinstitucionalização em curso. Crescente mal-estar no ar. Silêncios se movem. Nunca tantos brasileiros dependeram de tão poucos. Que tenham a ousadia da coragem democrática. Apoiá-los é preciso.

Alexandre de Moraes uniu e não permitiu que capturassem a independência do Supremo. A independência é sua honra maior. Shakespeare diria que quem rouba a honra alheia não aumenta a sua. Nem o estado democrático de direito.

O Supremo falou. O Congresso vai falar. E, pela fala, será julgado pelos eleitores que representa. Vai enviar para a Comissão de Ética da qual Silveira é membro? E que está há 11 meses sem funcionar? E nem consegue julgar a deputada Flordelis?

A queda de braço não é, neste momento, entre o Supremo e o Congresso. É entre o Congresso e seu deputado Daniel Silveira e a violência que ele representa. Será capaz ou não de controlar agressões à democracia? Vai também ser órgão de controle sem autocontrole?

Depois do Congresso, o Supremo fala outra vez.

 

Joaquim Falcão é professor da FGV Direito Rio e membro da Academia Brasileira de Letras. O artigo acima foi transcrito do jornal O Globo

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

As diferenças entre Bolsonaro e Boris Johnson no enfrentamento da pandemia

O que há em comum e o que separa Jair Bolsonaro de Boris Jonhson? Em comum, há o fato de o primeiro-ministro do Reino Unido...

A politica fiscal e o precipício

Nos próximos dias, o Congresso Nacional deve aprovar uma emenda constitucional que embasará o restabelecimento do auxílio emergencial. Nada mais justo, num momento de...

As dívidas do Detran do Rio com prestadores de serviços

As dívidas do Detran do Rio com prestadores de serviços já somam aproximadamente 70 milhões de reais. Há casos em que os atrasos de...

Lira e o pé esquerdo

Vitorioso no público interno, Arthur Lira como presidente da Câmara vem colecionando derrotas em decorrência da grita do público externo. É a sina de...

‘É preciso parar esse cara’

Editorial de O Estado de S. Paulo (2/3/2021) O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) foi enfático: “É preciso parar esse cara”, disse, em entrevista ao Estado, referindo-se...