A filantropia criativa em crises sanitárias

Filantropia é compreendida em sentido amplo como ação voluntária pelo bem comum. Autoridades acadêmicas no tema afirmam que as ações filantrópicas cumprem cinco papéis principais: (1) suprir necessidades, especialmente quando outros setores falham em supri-las; (2) promover e defender uma causa, apontando a necessidade de reformas para o bem comum; (3) expressar valores culturais, servindo de instrumento para preservar tradições, culturas e identidades; (4) gerar transformação cívica, promovendo engajamento cívico e construindo a comunidade; e (5) impulsionar a vanguarda social, servindo de catalisador para experimentação, inovação e desenvolvimento no campo social. Este último aspecto é particularmente importante em crises sanitárias.

Por exemplo, foi na virada para o século vinte, em meio à crise sanitária causada pela tuberculose, que surgiu a filantropia em massa nos Estados Unidos. O Census Bureau estimou que em 1908 a tuberculose foi responsável por 11% de todas as mortes nos Estados Unidos e de 25% das mortes de crianças em Nova York. O governo americano era incapaz de resolver o problema sozinho e a ajuda filantrópica secular e religiosa estava aquém do potencial. O comitê do governo Theodore Roosevelt descreveu a filantropia de então como “esforços fracos e espasmódicos de caridade”, incapazes de responder ao flagelo da tuberculose.

A história mudou quando Emily Bissell, uma jovem voluntária da Cruz Vermelha Delaware, conheceu um projeto de caridade dinamarquês baseado em selos postais. Bissell convenceu a Cruz Vermelha estadunidense a vender selos postais de Natal em favor da Associação Nacional para o Estudo e Prevenção da Tuberculose, organização voluntária criada por médicos durante a crise. O projeto foi um sucesso absoluto arrecadando milhões de dólares em todo o país por vários anos. Autores como Olivier Zunz, em Philanthropy in America: a History, e Scott Cutlip, em History of Fundraising, afirmam que essas ações criaram a filantropia em massa e levaram à institucionalização de novas leis de saúde pública, políticas sanitárias e programas de educação.

Além disso, as novas técnicas de arrecadação de fundos tornaram possível uma mudança drástica nos hábitos de doação estadunidenses. A filantropia de massa foi o motor de uma colaboração nacional na batalha de longo prazo contra outras doenças potencialmente fatais. Entre 1904 e 1916, o número de dispensários e clínicas de tuberculose subiu de 18 para 455. Durante os mesmos anos, o número de associações voluntárias locais nas campanhas contra a doença saltou de 18 para 1.324. Assim, a Associação contra a tuberculose (hoje nomeada American Lung Association) propôs uma fórmula inteiramente nova para doador e beneficiário: as doações seriam instrumentos para construção de redes de segurança contra ameaças mais amplas.

Assim, as práticas solidárias contemporâneas superaram as concepções paternalistas e elitistas do século dezenove. O atual contexto pandêmico requer novas iniciativas para o enfrentamento da Covid-19 e o consequente desenvolvimento social. É uma questão de valores e comportamento. Afinal, a história da filantropia em qualquer cultura registra a agenda moral desta cultura ao longo das gerações. Robert L. Payton e Michael P. Moody afirmam que a história da filantropia é a “história social da imaginação moral”, ou seja, o registro de quais foram os padrões éticos sobressalentes de determinada sociedade, não em palavras, mas em ações.

* Davi Lago é pesquisador do Laboratório de Política, Comportamento e Mídia da Fundação São Paulo 

Ultimas notícias

Siga o dinheiro

Bolsonaro sabia. Aliado do governo, o deputado Luis Miranda (DEM-DF) afirmou ter levado a denúncia sobre um esquema de corrupção envolvendo a compra da...

Projeto sobre exploração de terras indígenas não vai ajudar o Brasil

A Câmara dos Deputados está prestes a votar um projeto de lei que representa um verdadeiro retrocesso para o país. O PL 490/2007, que...

Voto impresso vira batalha em enquete do Senado; não vence a disputa

Uma enquete de 2018 na página do Senado sobre a adoção ou não do voto impresso nas urnas eletrônicas brasileiras figura como a mais...

Bolsonaro volta a ecoar Osmar Terra ao criticar lockdown

Bolsonaro voltou a repetir os argumentos usados pelo deputado governista Osmar Terra para criticar o lockdown. Durante encontro com apoiadores no Palácio da Alvorada, nesta...

Bolsonaro elogia os EUA por investigarem ‘origem do vírus’

Durante conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, nesta quarta, Bolsonaro elogiou os Estados Unidos por investigarem a “origem” da Covid-19. “O Senado americano está...