A intolerância dos tolerantes (por Gustavo Krause)

A virtude é uma disposição adquirida de fazer o bem porque ela é o próprio bem, em espírito e em verdade. Sem desviar da sabedoria aristotélica, toda virtude é um ápice entre dois vícios, uma cumeada entre dois abismos: assim, no caminho do meio entre a covardia e a temeridade, se move a coragem; o espaço da doçura se situa entre a cólera e a apatia.

Seria a tolerância uma exceção à regra? Ser tolerante significa aceitar o condenável sem combater? Levada ao extremo, a tolerância negaria a si própria e deixaria livres as mãos dos que querem suprimi-la. Inerte, a tolerância desconheceria o valor da luta, do combate: seria cúmplice, colaboradora da violência e da monstruosidade dos regimes políticos genocidas.

Neste ponto, chegamos ao que Karl Popper chama de “o paradoxo da tolerância: se formos de uma tolerância absoluta, mesmo para com os intolerantes, e se não defendermos a sociedade tolerante contra os seus assaltos, os tolerantes seriam aniquilados, e com eles, a tolerância”.

Tolerância não é passividade. Democracia não é fraqueza. São fatores de coesão da vida social e convalidam a força que se opõe ao fanatismo, ao sectarismo, ao autoritarismo e ao totalitarismo. Ambas protegem a sociedade pluralista do risco de se despedaçar em decorrência das diferentes visões de mundo.

A propósito, o Brasil nunca foi o paraíso da tolerância, porém, vem sendo intoxicado por uma atmosfera política marcada pelo confronto, pela raiva, pelo ódio, pelas manifestações de intolerância que ultrapassam agrupamentos sociais e penetram nas instituições políticas.

Continua após a publicidade

E o exemplo vem de cima. Não se ouve do Palácio do Planalto uma voz que possa apaziguar para, unindo, governar. A cada dia, sob a tragédia da pandemia, os passos que deveriam ser os mais prosaicos e corriqueiros da ordem democrática, transformam-se em confrontos.

A eleição congressual deixou um rastro de vindita no ar; o livro de um respeitável General recoloca as Forças Armada no centro do debate político; o Presidente da República assina um decreto cuja ementa bem que poderia ser “Às armas, cidadãos!”.

Para completar, o desqualificado parlamentar, Daniel Silveira (PSL-RJ) em linguagem chula, agride violentamente o Supremo Tribunal Federal, o lócus, gostem ou não, é o foro regulador e adequado para resguardar e defender as liberdades democráticas.

Entram no jogo as instituições – o STF e a Câmara – para, de acordo com a lei, usar a força institucional da tolerância para punir o delinquente político. A nação exigiu uma reação exemplar. E a resposta veio com a celeridade e o respeito aos direitos do criminoso por mais execrável que ele seja. Sem espetáculos, sem bravatas e a estridência da retórica antidemocrática, triunfou a força da legalidade e o exemplo da punição que raramente alcança personagens protegidos pela imunidade parlamentar.

Por fim, cabe não subestimar o número significativo dos “Danieis Teixeiras”, abrigados na extrema direita e que ameaçam a democracia representativa no Brasil, crescem e governam nações capturadas pelas autocracias.

Gustavo Krause foi ministro da Fazenda

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

ONU vê envolvimento de Putin em envenenamento de opositor

A Organização das Nações Unidas indicou que as provas encontradas no envenenamento do líder da oposição russa, Alexei Navalny, apontam para um provável envolvimento...

“A democracia brasileira está sob ataque”, diz Fachin na OAB

O ministro Luís Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira, 1º, que “a democracia brasileira está sob ataque”. “Se vamos tratar...

Guedes e os idos de março

Na tragédia Julio Cesar, William Shakespeare descreve as intrigas, ambições e disputas de poder que cercam o general romano e o Senado em 44...

O que Bolsonaro quer

O Brasil se tornou um dos piores países do mundo para se estar durante a pandemia do coronavírus. Não apenas a mortalidade per capita...

Curva de aprendizagem na Câmara (por Alon Feuerwerker)

E o novo comando da Câmara dos Deputados vai percorrendo sua curva de aprendizagem. Ela tem um formato de leves semelhanças com os trechos...