A prisão de deputado aumenta o cacife de Arthur Lira

Correta juridicamente, a ordem de prisão do ministro do STF Alexandre de Moraes contra o deputado federal Daniel Silveira empurrou o Supremo para um impasse político no qual pode haver apenas um vencedor, o presidente da Câmara, Arthur Lira.

Silveira foi preso no final da noite desta terça-feira (16/02), depois de postar no youtube um vídeo no qual faz apologia ao AI-5, xinga ministros, insinua que eles vendem sentenças e incita a violência contra os juízes.

Ainda hoje (17/02), a ordem de prisão será julgada pelo plenário do Supremo. Deve ser aprovada ampla maioria, senão por unanimidade. Como Silveira é deputado, a Câmara precisa autorizar a prisão. A sessão deve ocorrer amanhã. E aí começa um jogo no qual só Arthur Lira tem a ganhar.

A popularidade de Silveira no Congresso se compara ao do Big Brother Brasil 21 Nego Di, eliminado com 98,76% dos votos. A sua única serventia é ser um agente provocador da extrema direita. No vídeo no qual ataca o STF, Silveira acusa Gilmar Mendes de vender sentenças e Alexandre de Moraes de ser ligado à facção criminosa PCC. Ele queria causar uma reação no STF e conseguiu.

O Congresso Nacional, no entanto, é corporativo. Deputados e senadores preferem trabalhar no Carnaval a punir um dos seus. A deputada Flordelis, ré por assassinato do marido, continua com mandato. O senador chico Rodrigues, detido com dinheiro nas nádegas, se licenciou para deixar o cargo para o filho e deve voltar a exercer o mandato em março. O esquema bilionário da Lava Jato, que denunciou propinas e caixa-dois de dezenas de parlamentares, levou à cassação de apenas três parlamentares, Eduardo Cunha, André Vargas e Delcídio Amaral.

Autorizar a prisão de um deputado por expressar sua opinião (por mais desprezíveis que elas sejam) é uma decisão difícil. Abre caminho para, no futuro, o STF autorizar a prisão de outros parlamentares. Em 1968, o então deputado Moreira Alves fez um discurso pedindo que boicote aos desfiles de Sete de Setembro. “Seria necessário que cada pai e cada mãe se compenetrasse de que a presença de seus filhos nesse desfile é um auxílio aos carrascos que os espancam e metralham nas ruas”. Os generais pediram a cassação de Moreira, a Câmara recusou e a decisão foi o pretexto para a ditadura baixar o AI-5, fechar o Congresso e acabar com raras liberdades políticas da época. É fato que Silveira, para usar uma palavra da moda, é um basculho comparado com Moreira Alves, mas é natural que os deputados tenham cautela em entregar a cabeça de um dos seus.

É aí que entra a oportunidade de Arthur Lira. O presidente da Câmara tem o poder de negociar uma sessão de autorização pacífica, no qual a autoridade do STF não será posta à prova, nem as infâmias de Silveira defendidas. Não é simples. O bolsonarismo já se articula a favor do deputado golpista, mas aí entra o poder de articulação de Lira. Se deixar a crise terminar menor que começou, Lira ganha um crédito no STF.

E Lira precisa de crédito. Na Suprema Corte, o presidente da Câmara responde a cinco inquéritos: três por eventual prática de corrupção ativa e passiva, incluindo um na qual se tornou réu acusado de receber R$ 106 mil de propina do presidente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos, uma por formação de quadrilha e um por crime de lavagem de dinheiro, além de ser alvo de notícia-crime da ex-mulher por injúria e difamação. Ele nega todas as acusações.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

O Brasil dança à beira do precipício

Felizmente, não deu certo. Mas Arthur Lira tentou aprovar, de roldão, a PEC da Impunidade — e chegou perto de conseguir. Mas o assunto não está...

ONU vê envolvimento de Putin em envenenamento de opositor

A Organização das Nações Unidas indicou que as provas encontradas no envenenamento do líder da oposição russa, Alexei Navalny, apontam para um provável envolvimento...

“A democracia brasileira está sob ataque”, diz Fachin na OAB

O ministro Luís Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira, 1º, que “a democracia brasileira está sob ataque”. “Se vamos tratar...

Guedes e os idos de março

Na tragédia Julio Cesar, William Shakespeare descreve as intrigas, ambições e disputas de poder que cercam o general romano e o Senado em 44...

O que Bolsonaro quer

O Brasil se tornou um dos piores países do mundo para se estar durante a pandemia do coronavírus. Não apenas a mortalidade per capita...