Apropriação indébita

Pagando o preço de ouvir intenso panelaço, o presidente da República resolveu fazer um pronunciamento à nação como forma de reagir à produção diária de notícias negativas para o governo federal na CPI da Covid-19.

Jair Bolsonaro aproveitou a oportunidade da divulgação do PIB do primeiro trimestre que mostrou um crescimento de 1,2%, índice melhor aos que estava previsto para o desempenho da economia. O que chamou atenção mesmo na fala do presidente foi o trecho relativo à pandemia.

Ele procurou faturar dos dois lados da polarização política. Ao nicho de fiéis seguidores ressaltou que o governo federal nunca estimulou o isolamento social, ao contrário, procurando ligar isso à boa notícia na economia. Para o restante da população tentou se posicionar como o dono da vacinação que, segundo ele, imunizará todos os adultos neste ano.

Trata-se evidentemente de uma apropriação indébita, dado o atraso na obtenção de vacinas provocado por ações e omissões do presidente, mas que será utilizada como arma da campanha com vista à reeleição.

Ultimas notícias

Castro, Witzel e Martha Rocha trocam acusações por mortes e vacina no Rio

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 500 mil mortos por Covid-19, três políticos do Rio de Janeiro bateram boca nas...

Clássicos serão excluídos da biblioteca da Fundação Palmares

Em 1933, os nazistas queimaram montanhas de livros em praças da Alemanha. Entre os desafetos do regime de Adolf Hitler estavam autores como Bertolt...

500 mil mortos e o silêncio do presidente

Quinhentos mil mortos por Covid-19. Silêncio. Comedimento. Reticência. Sigilo. Taciturnidade. Placitude. Indiferença. Boca-de-siri. Aglossia. Sopor. Mudez. Moderação. Moderação? Logo o presidente? Enquanto o país precisava...

Empresários “lançam” Sergio Moro como a candidato a presidente

Um grupo de empresários do Paraná prepara uma campanha em favor da candidatura do ex-ministro da Justiça Sergio Moro à Presidência da República. Segundo...