Auxílio emergencial: Arthur Lira eleva a cobrança e pede pressa ao governo

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), subiu o tom nos últimos dias para cobrar do governo uma solução rápida para a criação de um benefício em substituição ao auxílio emergencial, que deixou de ser pago em dezembro de 2020. Ele afirmou que o Legislativo tem feito a sua parte, mas que a iniciativa de formatar e enviar o projeto tem de ser do Executivo. Segundo ele, a situação de parte da população está ficando “crítica”.

“Todas as últimas reuniões foram para tratar da tramitação das matérias que subsidiarão o crescimento do país e facilitar a entrega do auxílio. É importante mantermos o ritmo: instalamos a Comissão Mista de Orçamento, mandamos a reforma administrativa para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), aprovamos a autonomia do Banco Central. Agora, o governo tem que encontrar rapidamente uma alternativa, uma solução imediata para o auxílio”, disse Lira nesta quarta-feira, 11.

“Todas as últimas reuniões foram para tratar da tramitação das matérias que subsidiarão o crescimento do país e facilitar a entrega do auxílio. Agora, o governo tem que encontrar rapidamente uma alternativa, uma solução imediata para o auxílio”

Na noite de quarta-feira, 10, ao ser questionado sobre de onde viriam os recursos para o pagamento do benefício, ele voltou a cobrar de forma incisiva o governo. “Quem tem que achar espaço fiscal é o Ministério da Economia, não eu”, afirmou.

Lira foi eleito presidente com o apoio do presidente Jair Bolsonaro, mas tem sido bastante pressionado pelos parlamentares a aprovar uma alternativa ao auxílio emergencial. Ao menos vinte proposições para o restabelecimento do benefício foram apresentadas na Câmara nos últimos dias por representantes de todos os espectros políticos, da oposição ao Centrão, do qual Lira é o principal representante.

 

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Doria sofre protesto contra fase vermelha e diz ter sido ameaçado de morte

O domingo do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não foi nada tranquilo. O tucano soltou logo pela manhã uma nota oficial afirmando...

Orçamento gambiarra (por Gustavo Krause)

Refiro-me ao Orçamento respeitosamente: A Magna Carta, primeiro documento escrito, 15/06/1215, limitou o poder absoluto do rei João. Foi uma luta entre opressores, o...

Bilhete com nomes de ministros foi gota d’água para ação contra Lava-Jato

Um bilhete apócrifo apreendido em julho de 2015 por policiais federais foi a gota d’água para o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ),...

A epidemia e a política (Por Fernando Henrique Cardoso)

Primeiro é bom ressaltar que a “crise” (usa-se tão amiúde o vocábulo que ele acaba por perder o significado) começou a se manifestar antes...

O ano dos balões de ensaio (por Alon Feuerwerker)

A situação do governo Jair Bolsonaro, especialmente dele próprio, é contraditória. De um lado, o governismo venceu as eleições para a presidência da Câmara...