Bolsonaristas tentam evitar que delegado fale de denúncia contra Salles

O começo da audiência pública convocada pela Comissão de Legislação Participativa da Câmara para ouvir o delegado Alexandre Saraiva, ex-superintendente da PF no Amazonas, falar sobre a queixa-crime apresentada ao STF contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi tumultuado por pedidos de deputados bolsonaristas para cancelar a sessão.

Após a fala inicial do presidente do colegiado, Waldenor Pereira, do PT, o deputado Major Vitor Hugo, líder do PSL na Casa, apresentou questão de ordem para suspender a audiência, argumentando que não há razão regimental para realizá-la naquele espaço. Para ele, o depoimento de Saraiva — que foi tirado do posto no último dia 15, um dia depois de denunciar Salles ao Supremo — até poderia ser realizado, por exemplo, na Comissão do Meio Ambiente, comandada pela também bolsonarista Carla Zambelli.

O chefe da comissão logo rejeitou o pleito e justificou que tanto o regimento da Câmara quanto o do colegiado dão respaldo para que a sessão seja realizada. Zambelli protestou e continuou falando ao microfone mesmo depois de Pereira dar a palavra inicial a Saraiva.

Ultimas notícias

PM do RJ decide que Queiroz pode voltar a andar armado

Denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (Republicanos-RJ) no esquema das rachadinhas do gabinete do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Assembleia Legislativa fluminense,...

Carta com pó suspeito é enviada ao Senado

Cartas com um pó suspeito e em formato de coelho chegaram em gabinetes de parlamentares no Senado, gerando alergia em funcionários da Casa.  Segundo mensagem...

Huck sedia encontro para tentar afastar Maia do PSD de Kassab – e de Lula

O apresentador Luciano Huck pode até não se candidatar à Presidência da República na eleição de 2022, mas já participa ativamente de articulações políticas...

A lógica do depoimento do representante da Pfizer

A empresa americana Pfizer deve declarar que fez contato com o governo Bolsonaro disponibilizando vacinas no início do segundo semestre de 2020. A carta divulgada...

Cresce o risco de um “apagão” nos serviços públicos federais

Não vai ter Censo, verbas para proteção ambiental, pesquisa, ciência e tecnologia foram cortadas à metade, 69 universidades federais prevêem redução ou paralisação total...