Bolsonaro agradece a caminhoneiros e promete anúncio sobre combustíveis

O presidente Jair Bolsonaro, em discurso feito nesta quinta-feira, 4, durante a inauguração de um centro de atletismo em Cascavel (PR), agradeceu aos caminhoneiros por não terem levado adiante a paralisação que havia sido planejada para 1° de fevereiro e prometeu um anúncio relacionado a combustíveis para esta sexta-feira 5. A redução do preço do diesel é a principal reivindicação da categoria, que sempre foi muito próxima do bolsonarismo.

“Nós reconhecemos o trabalho dos caminhoneiros e agradeço aqui a não adesão à greve. Porque, se houvesse, todos nós perderíamos, sem exceção. O Brasil não pode parar” afirmou. “Eu não vou falar o que é, mas devemos amanhã (…), a partir das 11 horas da manhã, (tratar de) um assunto de extrema importância para todos nós, que devemos resolver. Tem a ver com os caminhoneiros, taxistas, (motoristas de) Uber, vocês que têm carro particular. E nós convocamos todos amanhã para essa reunião. E interrogarei (sic) as pessoas presentes a tratar de combustíveis no Brasil”, disse o presidente, sem dar mais detalhes.

Bolsonaro afirmou, ainda, que “isso vai chegar nos estados”, referindo-se às medidas que devem implementadas em relação aos combustíveis. Ao comentar sobre os impostos, ele afirmou: “Nós zeramos um imposto chamado Cide. Temos outro imposto que tem a ver com Pis/Cofins. O nosso é previsível, é de 33 centavos. Já o ICMS de cada estado tem um valor e ele varia de hoje para amanhã. E nós devemos viver na base da previsibilidade. A questão dos combustíveis tem que ser tratada dessa maneira e não escondido em um canto”, acrescentou.

Atrito com governadores

No ano passado, o governo zerou a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) para combustíveis e propôs fazer isso com outros impostos federais, como o PIS/Cofins se os estados fizessem o mesmo com os seus tributos. A proposta, que não vingou, provocou a ira dos governadores e ajudou a alimentar os desentendimentos entre eles em um momento de enfrentamentos constantes relacionados ao combate à pandemia.

Para muitos chefes de Executivo estaduais, Bolsonaro fez demagogia e jogou a responsabilidade para eles, que não têm condições de implantar a medida em um momento em que a maioria dos estados vive crise financeira. A Cide tem um valor fixo (R$ 0,33 por litro de diesel), enquanto o ICMS, principal tributo estadual, varia de acordo com os produtos e serviços e, no caso de combustíveis, pode chegar a 20%.

O problema, tanto para Bolsonaro quanto para governadores e prefeitos, é que eles não podem abdicar de receita por determinação da Lei de Responsabilidade Fiscal – ou seja, para abrir mão de algum imposto em algum produto, é preciso compensar com o reajuste de outro.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

De quem é a culpa? (por Roberto Brant)

Qualquer que seja a nossa inclinação política, dois fatos da vida brasileira não têm como ser negados. Conforme sempre repetia o antigo senador americano...

Vai ficar tudo por isso mesmo

Este blog, anteontem, perguntou no Twitter: 1.726 mortos pela Covid em 24 horas. Ficará por isso mesmo? Respostas de 1.454 leitores: Não deveria, mas ficará – 62,3% Ninguém...

Quando o abuso nasce no estado: a Lei de Segurança Nacional

A jovem democracia brasileira tem passado por provações nos últimos anos. Quando o próprio presidente do país diz que, se dependesse dele, este “não...

Mansão de Flávio Bolsonaro vira dor de cabeça para seu pai

Mansão de Flávio Bolsonaro vira dor de cabeça para seu pai Por Ricardo Noblat Rapaz treloso É estranho que Flávio Bolsonaro (Patriotas-RJ) tenha comprado uma mansão em...

A nova ofensiva do ex-presidente do PT contra a Lava-Jato

Rui Falcão, ex-presidente do PT, acionou nesta semana o Superior Tribunal de Justiça para que a Procuradoria-Geral da República apure condutas supostamente praticadas por um membro do...