Bolsonaro diz que governo está funcionando e reafirma oposição a lockdown

Um dia após a reunião em que discutiu o combate à pandemia da Covid-19 com representantes dos outros Poderes da República, o presidente Jair Bolsonaro, em conversa com apoiadores, nesta quinta-feira, 25, em frente ao Palácio da Alvorada, afirmou que o “o governo está funcionando” e reafirmou a sua posição contra as políticas de distanciamento social.

Bolsonaro citou a chanceler alemã, Angela Merkel, que anunciou um lockdown total no país para a semana de Páscoa, mas recuou após protestos generalizados da sociedade. “A Angela Merkel, ia ter lockdown rigoroso lá, ela cancelou e pediu desculpas. Ela falou lá, segundo a imprensa, que os efeitos de fechar tudo é muito mais grave que o efeito do vírus”, disse o presidente.

A chanceler, no entanto, não afirmou que o lockdown não era eficaz, somente que não haveria tempo ou logística para a Alemanha se adequar ao fechamento, em razão do anúncio em cima da hora. Outro ponto que pesou foi a oposição de boa parte da população, cansada de longos períodos de quarentena já experimentados pelo país na pandemia. Também houve questionamentos de autoridades de saúde se o fechamento total por cinco dias do comércio não iria provocar aglomerações na reabertura, o que poderia ter um efeito danoso na propagação do vírus — a Alemanha enfrenta um recrudescimento da pandemia.

A questão do lockdown foi um dos temas sobre os quais não houve consenso na reunião de quarta-feira. Bolsonaro reafirmou no encontro a sua oposição ao fechamento das atividades produtivas para conter o vírus, apesar da defesa da medida por governadores aliados, como Ratinho Jr (PSC), do Paraná, e Ronaldo Caiado (DEM), de Goiás, que foram obrigados a aumentar as restrições em seus estados.

Sobre a imunização no Brasil, que atingiu até agora pouco mais de 6% da população, Bolsonaro voltou a defender a versão de que o governo não negligenciou a compra de vacinas, como já havia dito em pronunciamento em rede nacional de rádio e TV na terça-feira. Segundo ele, o trabalho para obter doses “começou no ano passado, não foi agora”.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

TCU pede que Lewandowski reveja decisão que beneficiou Joesley e JBS

O Tribunal de Contas da União (TCU) pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski que reconsidere duas decisões tomadas por ele...

Centrão ou Guedes: meta de Bolsonaro é não escolher entre um dos lados

Acossado pela pandemia de Covid-19, a crise econômica e a queda de popularidade, o presidente Jair Bolsonaro terá de arbitrar uma disputa entre dois...

A recidiva

Editorial de O Estado de S. Paulo (17/4/2021) O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 8 votos a 3, anular as condenações impostas ao ex-presidente...

Secretaria de Saúde de São Paulo acusa parlamentares de invadirem hospital

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo afirmou, em publicação nas redes sociais, que o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) e os deputados...

Não basta a China (por Cristovam Buarque)

No excelente livro “Brasil, construtor de ruínas: Um olhar sobre o país, de Lula a Bolsonaro” a jornalista escritora Eliane Blum escreveu que: “Como...