Bolsonaro se refugia em Deus e no Exército (Por Juan Arias)

Com medo e encurralado, o presidente Jair Bolsonaro vem se refugiando em Deus e nas armas. Assim revelou no domingo passado, quando uma pequena multidão de seguidores dele foi a Brasília para felicitá-lo por seu 66º aniversário. Disse, sem citar nomes, que “estão esticando demais a corda”, mas que não havia motivo para temores porque Deus e o Exército estão ao seu lado. Respondendo aos rumores de que tanto o Congresso quanto os governadores estariam estudando formas de afastá-lo do cargo devido à sua catastrófica gestão da pandemia, que acumula mais mortos a cada dia, declarou aos seus admiradores, num tom entre medroso e arrogante: “Só Deus me tira daqui”. Também mencionou que a função do Exército é garantir a liberdade deles. Que Bolsonaro fale de liberdade é algo que soa a piada, uma vez que, dia sim, dia não, ele ameaça com gestos autoritários e golpes de Estado.

Bolsonaro se escuda cada dia mais em Deus e nas armas para se proteger e poder chegar à reeleição, que é hoje sua única obsessão. Mas, diante das graves crises que se acumulam no Brasil― sanitária, social, econômica e política―, as eleições de 2022 têm tudo para serem dramáticas. Na verdade, o Brasil já está em campanha eleitoral antecipada, com dois líderes populares duelando: Lula e Bolsonaro. Ambos só pensam na reeleição, e desde que Lula ficou, ao menos por enquanto, livre para voltar à arena política, já botou o bloco na rua, para usar suas próprias palavras. E seu competidor Bolsonaro, esquecido de que é o presidente, já se dedica descaradamente à campanha eleitoral. São dois candidatos indiscutíveis e convencidos da vitória. O drama está em que ambos são hoje os únicos personagens consolidados como mitos.

E o centro democrático, que teria condições de romper essa polarização? Esse é o drama. Não só não está ainda em campanha como parece perdido, sem uma liderança capaz de enfrentar dois mitos. A terceira via, que seria a de centro-direita democrática, não foi até agora nem sequer capaz de se decidir por um candidato único capaz de enfrentar com chances de vitória os dois nomes já consolidados e que vêm afiando suas armas para o duelo.

A única esperança que restaria a esse centro democrático é que Bolsonaro sofra um impeachment antes de disputar a reeleição. E isso porque o bolsonarismo golpista não conta hoje com ninguém capaz de ter a força eleitoral de Bolsonaro. Sem ele, o bolsonarismo certamente não desapareceria, mas não contaria mais com um novo mito.  O duelo entre Lula e Bolsonaro, únicos candidatos num cenário em que também a esquerda está dividida, é afinal mais do mesmo. Para um Brasil que parece terra arrasada, sem dúvida seria melhor um novo mandato de Lula, que não ameaça a democracia e ainda é capaz de pronunciar palavras de esperança, e não de ódio a um país que a perdeu com Bolsonaro, o negacionista e saudosista das ditaduras.

O ideal seria, entretanto, uma substituição que revelasse uma alternativa firmemente democrática capaz de oferecer um novo projeto de país. Um novo projeto capaz de lhe devolver a confiança e de salvar a democracia hoje ameaçada e ultrajada no meio de uma grave crise econômica agravada pela crise da pandemia à deriva. Uma tragédia que está arrastando milhões de famílias não só para a pobreza e o desencanto, mas para a miséria e a fome.

Se o centro democrático não puser já o seu bloco eleitoral na rua, com um candidato preparado e carismático que seja capaz de enfrentar os dois mitos já presentes na arena, não só perderá o trem como também comprometerá sua credibilidade e terá que prestar contas ao país por ter feito abortar o que neste momento seria uma renovação política e social. Uma renovação capaz de destruir a eterna polarização que não permite ao país oferecer algo novo que o faça ressuscitar de seu déjà vu fatalista, paralisando a esperança de fazer este país ressurgir da sua condenação ao imobilismo político.

O grave é que esse centro que poderia ser uma terceira via renovadora capaz de abrir novos horizontes está flertando muito com Bolsonaro, como denunciou dias atrás o analista político Demetrio Magnoli, para quem o centro democrático “não tem narrativa, discurso, programa ou rosto” e não foi capaz de “lavar as mãos que tocaram uma poça tão pútrida”. Tudo perdido, então? Não. Em política as coisas podem mudar de repente. Mas deixar que as velhas receitas do passado se fortaleçam significa na verdade continuarmos atolados numa dicotomia populista que ameaça fechar a porta a uma esperança de mudança que a sociedade vem pedindo. É uma sociedade cansada da velha política que Bolsonaro prometeu combater, para acabar atado a ela com total desfaçatez.

(Transcrito do El País)

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Nunes Marques é sorteado relator de impeachment de Alexandre de Moraes

O ministro Nunes Marques, do STF (Supremo Tribunal Federal), foi sorteado nesta segunda-feira, 12, relator da ação protocolada pelo senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), que...

Atirador deixa ao menos um morto em escola nos EUA

Uma pessoa morreu e outra, um policial, ficou ferida após a ação de um atirador em uma escola em Knoxville, no estado americano do...

Bolsonarismo, conservadorismo e liberalismo (Por Denis Lerrer Rosenfield)

Jair Bolsonaro, em sua eleição, conseguiu encarnar a força do antilulopetismo, congregando em torno de si três correntes de ideias que, naquele então, apareceram...

Conversinha impublicável

A conversa telefônica entre o presidente Bolsonaro e o senador Jorge Kajuru é espantosa por muitos motivos. Primeiro, claro, pelo teor. O que se ouve...

Transe populista

Editorial de O Estado de S. Paulo (12/4/2021) Há anos o Brasil está entregue ao populismo. Desde pelo menos o final do primeiro mandato do...