“Cão de guarda” de Bolsonaro bate boca com presidente da CPI

Um dos mais fiéis soldados da tropa bolsonarista da CPI da Covid, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) bateu boca com o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), no final da manhã desta quinta, 27, durante o depoimento do diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, que está sendo ouvido pelo colegiado neste momento.

A troca de farpas surgiu após Rogério exibir  a gravação de uma reunião do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para tratar da compra da vacina Coronavac, originalmente importada da China e hoje produzida pelo Butantan. Rogério acusou Doria de estar sendo grosseiro numa de suas falas, mas foi interrompido por Omar Aziz.

Aziz contestou a interpretação do governista: ” Grosseria? Eu estou vendo é a indignação do governador em querer a vacina”, afirmou. Rogério retrucou e acusou o presidente da comissão de, insistentemente, interromper as falas dos senadores. Aziz, então, disse algo que não foi captado pelos microfones, mas que irritou Marcos Rogério. O cão de guarda de Jair Bolsonaro subiu subiu o tom: “Como que é presidente? Contenha a sua sanha. Vossa excelência tenha compostura… Contenha-se”.

Para além da – de fato, indevida – interrupção de Omar Aziz, a irritação de Marcos Rogério tem um componente importante, que obviamente ele não revelou durante o bate boca. Boa parte da tropa de choque de Bolsonaro considera o assunto Coronavac o que tem maior potencial ofensivo contra o presidente da República, que já deu diversas declarações críticas ao imunizante chinês. Em dado momento, ele chegou a anunciar que o governo federal não compraria a Coronavac – acabou voltando atrás.

Não por acaso, a atuação de Marcos Rogério na CPI tem agradado Bolsonaro. Desde o início, ele adotou uma postura combativa, de defesa aberta do governo federal. Costuma fazê-lo, inclusive, com mais assertividade do que o próprio líder do Planalto no Senado, o também integrante da comissão, Fernando Bezerra Coelho (MDB-RO).

Senador de primeiro mandato, Rogério é um personagem da política clássica, que, vira e mexe, compra brigas de grande porte, mas não costuma atacar embaixo da linha da cintura, como costumam fazer os chamados bolsonaristas raiz. A primeira batalha de grande repercussão ocorreu quando ainda era deputado. Rogério, então no PDT, foi o relator do processo aberto contra Eduardo Cunha no Conselho de Ética da Câmara e pediu a cassação do ex-presidente, o que acabou ocorrendo. Agora, ele tem capitalizado a atuação na CPI, já que seu estado é um dos que ainda garante bons índices de aprovação a Bolsonaro.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Castro, Witzel e Martha Rocha trocam acusações por mortes e vacina no Rio

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 500 mil mortos por Covid-19, três políticos do Rio de Janeiro bateram boca nas...

Clássicos serão excluídos da biblioteca da Fundação Palmares

Em 1933, os nazistas queimaram montanhas de livros em praças da Alemanha. Entre os desafetos do regime de Adolf Hitler estavam autores como Bertolt...

500 mil mortos e o silêncio do presidente

Quinhentos mil mortos por Covid-19. Silêncio. Comedimento. Reticência. Sigilo. Taciturnidade. Placitude. Indiferença. Boca-de-siri. Aglossia. Sopor. Mudez. Moderação. Moderação? Logo o presidente? Enquanto o país precisava...

Empresários “lançam” Sergio Moro como a candidato a presidente

Um grupo de empresários do Paraná prepara uma campanha em favor da candidatura do ex-ministro da Justiça Sergio Moro à Presidência da República. Segundo...