‘Cobrem dos governadores’, diz Bolsonaro sobre novo auxílio emergencial

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira, 12, a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, que a população deveria cobrar dos governadores um novo auxílio emergencial, benefício criado para ajudar os mais vulneráveis durante a pandemia e que deixou de ser pago em dezembro. O governo federal e a Câmara discutem a criação de um novo benefício provisório.

“Quando termina o (auxílio emergencial), dão porrada em mim. Cobrem de quem te determinou ficar em casa, fechou o comércio e acabou com o seu emprego. Cobrem dos governadores”, afirmou.

“Quando termina o (auxílio emergencial), dão porrada em mim. Cobrem de quem te determinou ficar em casa, fechou o comércio e acabou com o seu emprego. Cobrem dos governadores”

Segundo ele, o benefício provisório tem um custo alto. “Os governadores podem dar o auxílio emergencial para vocês, eles podem se endividar também, porque o governo está se endividando. Agora até quando vai durar isso aí? São 68 milhões de pessoas, meu Deus do céu! Quando eram 600 reais mensais, eram quase 50 bilhões de reais por mês em endividamento. Quem vai pagar essas contas são vocês”, afirmou.

Bolsonaro ainda lembrou que a extensão desse benefício pode impactar as contas públicas e provocar pressão inflacionária. “A gente tem dificuldade, sei que tem. Lamento? Lamento. Tenho pena? Tenho pena. Mas se nós nos desajustarmos fiscalmente, vem a inflação galopante”, disse.

Pressão

O governo vem sendo bastante pressionado por aliados no Congresso para aprovar um novo benefício. Na quinta-feira 11, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), principal líder do Centrão, bloco que apoia Bolsonaro, cobrou rapidez na questão. “Todas as últimas reuniões foram para tratar da tramitação das matérias que subsidiarão o crescimento do país e facilitar a entrega do auxílio. Agora, o governo tem que encontrar rapidamente uma alternativa, uma solução imediata para o auxílio”, declarou.

“A gente tem dificuldade, sei que tem. Lamento? Lamento. Tenho pena? Tenho pena. Mas se nós nos desajustarmos fiscalmente, vem a inflação galopante”

Na mesma quinta-feira, Lira esteve reunido com líderes partidários e definiram 250 reais por quatro meses, segundo o Radar Econômico. O custo do benefício ficaria próximo a 14 bilhões de reais por mês se mantidos os parâmetros do programa do último trimestre de 2020.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Senado aprova texto-base da PEC Emergencial em primeiro turno

O Senado aprovou na noite desta quarta-feira, 3, em primeiro turno, o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 186/2019, a chamada PEC...

Três perguntas sobre a choupana de Zero Um

Flávio Bolsonaro adquiriu uma modesta choupana em Brasília.  Tem 2.400 metros quadrados de terreno, 1.100 metros quadrados de área construída e saiu pela bagatela...

Bolsonaro reforça papel de inimigo número 1 da Lava Jato

Hoje em dia deve estar muito difícil para os apoiadores – pensantes – do presidente Bolsonaro ainda acreditarem na sua agenda anticorrupção. Transcorrido quase um...

Maioria dos baianos apoia Rui Costa e defende toque de recolher e lockdown

A maioria dos cidadãos baianos aprovam a forma como o governador do estado, Rui Costa (PT), está enfrentando a pandemia de Covid-19. Medidas mais...

ONGs processam grupo francês Casino por desmatamento no Brasil e Colômbia

Uma coalização de ONGs moveu uma ação criminal na França nesta quarta-feira, 3, contra o grupo francês Casino, que acusam de vender carnes ligadas...