Conselho de Ética da Câmara vota pela cassação da deputada Flordelis

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados aprovou, por 16 votos contra um, o relatório que pede pela cassação do mandato da deputada federal evangélica Flordelis dos Santos Souza (PSD-RJ) na tarde desta terça-feira, 8. Ela é ré apontada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como a mandante do assassinato do próprio marido, o pastor Anderson do Carmo, em 16 de junho de 2019 na casa de ambos em Niterói, região metropolitana da capital. Agora, o processo irá a votação no plenário da Casa Legislativa. Se aprovado pela maioria absoluta dos deputados – 257 do total de 513 -, Flordelis poderá perder o mandato, os direitos políticos e, também, sua imunidade parlamentar. Quando se tornou ré, a Justiça não decretou sua prisão devido à prerrogativa da função. Ela que é cantora gospel, é novata na seara política e está em sua primeira legislatura. 

A relatoria do processo na comissão foi feita pelo deputado Alexandre Leite (DEM-SP), que não poupou críticas à colega. “Se existisse o crime de estelionato eleitoral, ele estaria baseado no seu caso. Escândalos sexuais, adoção à brasileira, rachadinha… O grande segredo desse relatório foi não se perder em meio a tantas provas robustas”, declarou o relator durante a sessão. “No relatório cito a questão de Anderson do Carmo ser, efetivamente, o deputado de fato, o 514º parlamentar, como ele era conhecido. Os fatos corroboram a atuação legislativa: de 2019 até a presente data, a deputada não consegue exercer de forma plena o seu mandato – à época [até junho de 2019]  porque Anderson comandava o mandato, agora porque está o usando para se defender ao atrapalhar investigações e ao coagir testemunhas. Somado a todo esse contexto narrado no relatório, não tenho como não dizer que a representatividade do povo do Rio de Janeiro está em xeque”, disse ele. 

Tanto à justiça quanto à Câmara, a deputada evangélica alega inocência. Seis dos seus 55 filhos – quatro deles biológicos e 51 adotivos – estão presos acusados de participação no complô que levou ao assassinato do pastor na garagem de casa. Ele levou seis tiros e teve seu corpo crivado com 30 perfurações (de entradas e reeentradas das balas), parte delas na região genital. Em sua primeira versão, a família alegou ter sido vítima de latrocínio. Dias depois, Flávio dos Santos, 39, filho biológico de Flordelis, confessou ter atirado em Anderson do Carmo. A arma, uma pistola calibre 9mm encontrada em cima de um armário de Flávio, teria sido adquirida pelo filho adotivo Lucas Cezar dos Santos, 19. Em agosto do ano passado, a polícia do Rio concluiu o inquérito e apontou Flordelis como mandante da morte do próprio marido.   

O processo de quebra de decoro parlamentar na Câmara ficou parado devido à pandemia do coronavírus – as comissões foram dissolvidas durante o ano passado e retomadas em março deste ano, quando a ação contra a deputada no Conselho de Ética começou a tramitar. Desde a morte do marido, a cantora gospel viu seu império neopentecostal desmoronar. Como VEJA mostrou em fevereiro, dos seis templos em funcionamento – havia mais um em construção à época do assassinato de Anderson do Carmo -, restou apenas um em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. A parlamentar vinha tentando colar sua imagem a figuras políticas proeminentes da situação, como o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e a primeira-dama Michelle Bolsonaro. Ainda não há data marcada para a votação em plenário, que deve ser levada a plenário pelo próprio Lira. 

Ultimas notícias

Castro, Witzel e Martha Rocha trocam acusações por mortes e vacina no Rio

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 500 mil mortos por Covid-19, três políticos do Rio de Janeiro bateram boca nas...

Clássicos serão excluídos da biblioteca da Fundação Palmares

Em 1933, os nazistas queimaram montanhas de livros em praças da Alemanha. Entre os desafetos do regime de Adolf Hitler estavam autores como Bertolt...

500 mil mortos e o silêncio do presidente

Quinhentos mil mortos por Covid-19. Silêncio. Comedimento. Reticência. Sigilo. Taciturnidade. Placitude. Indiferença. Boca-de-siri. Aglossia. Sopor. Mudez. Moderação. Moderação? Logo o presidente? Enquanto o país precisava...

Empresários “lançam” Sergio Moro como a candidato a presidente

Um grupo de empresários do Paraná prepara uma campanha em favor da candidatura do ex-ministro da Justiça Sergio Moro à Presidência da República. Segundo...