CPI: A limonada está virando limão (por Helena Chagas)

Até agora, o governo acumulou derrota em cima de derrota no caso da CPI da Covid. Diante da determinação do STF para instalá-la, se tivesse o controle da situação no Senado, o Planalto teria feito como todos os governos fazem diante de CPIs indesejadas: convencem alguns senadores a retirar assinaturas de apoio, abortando a iniciativa. Os governistas não tiveram competência para isso, e nem para tumultuar com questões de ordem sobre a pandemia a sessão de leitura do requerimento de criação da comissão. Agora, o manual de desmontagem de CPIs aconselha os exterminadores de investigações parlamentares a pressionar líderes de partidos e blocos a protelar a indicação de seus integrantes. Parece que isso também não está dando certo, e os nomes estão na mídia, bem como as disputas pela relatoria e presidência. Resta a tentativa de evitar as reuniões, mas vai ficando claro que a maioria dos senadores acha que os trabalhos podem começar de forma remota ou semi-presencial.

Também não foi uma vitória decisiva de Jair Bolsonaro a decisão do supostamente governista presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, de incorporar ao objeto de investigação inicial da CPI — as ações do governo federal no combate à pandemia — fatos relativos a estados e municípios se envolverem recursos da União. O presidente defendeu a inclusão de governadores e prefeitos na indecorosa conversa gravada pelo senador Jorge Kajuru (Cidadania – GO) para desviar de si, confundir e esvaziar os trabalhos. Quem conhece CPIs, porém, acha a questão uma bobagem. Primeiro, por ser inevitável que a investigação sobre o governo federal acabe batendo nos estados. O caso das mortes por falta de oxigênio em Manaus, por exemplo, envolve autoridades estaduais e municipais.

Em segundo, porque a ampliação do escopo das investigações só vai embaralhá-las se a maioria da comissão quiser. E aí está o óbvio: manda na CPI quem tem maioria. Requerimentos, plano de trabalho, convocações, tudo tem que ser aprovado por pelo menos seis dos 11 votos titulares. A não ser que o Planalto faça uma mega e bem sucedida operação política nos próximos dias, o que é muito improvável, não terá maioria. Tem só quatro votos garantidos. Outros sete são oposicionistas (3) ou “ independentes”. No último caso, MDB e do PSD pescaram senadores interessados no avanço da investigação, como os amazonenses Omar Aziz (PSD) e Eduardo Braga (MDB), e de viés não governista, como Renan Calheiros (MDB-AL) e Otto Alencar (PSD-BA).

Até onde irá a CPI, ou se irá além do espetáculo midiático que inevitavelmente vai desgastar o governo, é cedo para dizer. Mas o fato político do momento é a exposição da surprendente fragilidade do apoio a Bolsonaro no Senado. A blindagem que, pensava-se, o governo havia garantido há pouco mais de dois meses, na eleição dos comandos da Câmara e do Senado, não deu nem para saída no tapete azul.

Pode-se apontar razões para isso. O agravamento do drama da pandemia, com média diária de mais de três mil mortes e a queda na aprovação presidencial podem ter papel central na mudança de humor de quem irá disputar eleições no ano que vem — mesmo que o Centrão esteja sendo alimentado com cargos e verbas. Além disso, a eleição de Pacheco, um nome do DEM tirado do bolso pelo antecessor Davi Alcolumbre, atropelando o MDB, deixou mágoas. Nunca é bom negócio desagradar Braga, Renan e Jader Barbalho (PA), indicado suplente, políticos acostumados a saborear a vingança como um prato frio.

A performance do próprio Jair Bolsonaro terá ajudado muito. Os arreganhos para instituições como o STF, a crise criada do nada com a cúpula militar, o rolo do Orçamento, a sequência de manifestações de indiferença diante das mortes e, sobretudo, a inoperância do governo na pandemia estão na conta.

O presidente chegou a incitar um senador, que gravou a conversa, a agir contra ministros do Supremo, governadores e prefeitos, afirmando que só assim conseguiriam transformar o limão da CPI em limonada. Mas Bolsonaro só mostrou que não sabe fazer isso, e que sua especialidade continua sendo desfazer, destruir, desagregar. Ele tem mesmo é um enorme e inútil talento para outra coisa: transformar limonada em limão.

Helena Chagas é jornalista 
Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Presidente da Anvisa depõe na CPI da Pandemia nesta terça-feira

A CPI da Pandemia retoma o trabalho nesta terça-feira, 11, com o depoimento do presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra...

Sobre o “tratoraço” regimental

A reforma do regimento interno da Câmara dos Deputados, que pode ser votada esta semana, vem sendo chamada por seus críticos de “tratoraço”, em...

Queiroz mostra, mais uma vez, fidelidade ao presidente Bolsonaro

Denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como operador do esquema da rachadinha no gabinete do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) enquanto o filho...

“Acabou a mamata!”, proclamou Jair Bolsonaro

Resistente a compartilhar o poder, Lula aceitou um esquema em que empresas estatais, como a Petrobras, faziam compras desnecessárias e/ou superfaturadas e desviavam dinheiro...

Facebook envia à CPI vídeo apagado de reunião com gafes de Guedes e Ramos

O Facebook atendeu nesta segunda-feira a um requerimento do senador Randolfe Rodrigues e enviou à CPI da Pandemia no Senado um vídeo da reunião...