Dá-lhe, STF!

Uma das coisas mais certas numa República é a de que uma Suprema Corte altiva garante o estado de direito. A prisão do deputado Daniel Silveira era inevitável diante não só de uma vida de ofensas ao STF, mas também pelos 19 minutos de sandices em novo vídeo contra o tribunal, alguns de seus ministros, mas especialmente mirando Edson Fachin.

Em sua fala, o deputado, além de insinuar que ministros são criminosos, faz pedidos inconstitucionais, como a substituição dos 11 magistrados do tribunal. O parlamentar defende, por exemplo, o AI-5, pior decreto da ditadura, que institucionalizou a perseguição aos opositores do regime, incluindo parlamentares e ministro do Supremo Tribunal Federal.

Além de adepto a teorias da conspiração, o parlamentar passa dos limites ao afirmar que Fachin é militante de partidos e “nações narcoditadoras”. Isso após chamar o magistrado de “mimado, canalha, mau caráter, marginal da lei, vagabundo, cretino e canalha”.

A reação mais enérgica contra Fachin – porque o parlamentar também ataca Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes no vídeo – se deve ao fato de que ha dois dias o magistrado fez críticas ao ex-comandante do Exército general Villas Bôas e afirmou que a pressão das Forças Armadas sobre o poder judiciário é “intolerável e inaceitável”.

Recentemente, Villas Bôas contou, em livro, como elaborou uma manifestação nas redes sociais no dia do julgamento de um habeas corpus do ex-presidente Lula, em 2018. Segundo a versão, ela teria sido construída pelo Alto Comando do Exército.

O deputado bolsonarista foi à loucura com a crítica de Fachin ao general que se perdeu na condução da força armada, politizando-a. Basta ter memória para recordar a gravidade da nota de Villas Bôas. E também ter memória para lembrar que o deputado é reincidente em ameaçar o STF e adversários do presidente Jair Bolsonaro.

Cabe ao próprio STF e à Câmara dos Deputados punir Daniel Silveira, o parlamentar bolsonarista que foi polícia militar, exemplarmente. O deputado cometeu crime e liberdade de expressão não tem nada a ver com o que ele faz.

Já sabemos o que acontece quando a Justiça falha e os políticos fazem vista grossa a esses crimes em série. Foi assim que um deputado que viveu exaltando a tortura foi alçado à cadeira mais importante da República.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Vai ficar tudo por isso mesmo

Este blog, anteontem, perguntou no Twitter: 1.726 mortos pela Covid em 24 horas. Ficará por isso mesmo? Respostas de 1.454 leitores: Não deveria, mas ficará – 62,3% Ninguém...

Quando o abuso nasce no estado: a Lei de Segurança Nacional

A jovem democracia brasileira tem passado por provações nos últimos anos. Quando o próprio presidente do país diz que, se dependesse dele, este “não...

Mansão de Flávio Bolsonaro vira dor de cabeça para seu pai

Mansão de Flávio Bolsonaro vira dor de cabeça para seu pai Por Ricardo Noblat Rapaz treloso É estranho que Flávio Bolsonaro (Patriotas-RJ) tenha comprado uma mansão em...

A nova ofensiva do ex-presidente do PT contra a Lava-Jato

Rui Falcão, ex-presidente do PT, acionou nesta semana o Superior Tribunal de Justiça para que a Procuradoria-Geral da República apure condutas supostamente praticadas por um membro do...

Frase do dia

“Não é pelo leitão, mas pela descontração festiva da mesa farta de altas gargalhadas no mesmo dia em que os cemitérios mais receberam corpos...