De volta ao passado (por Raul Jungmann)

A surpreendente anulação dos processos contra o ex-presidente Lula promoveu um impacto de nove graus na escala Richter, que mede terremotos, no mundo político nacional.

Não é para menos. A reaparição do petista na condição de elegível em 2022, literalmente apagou a lousa onde se desenhavam os cenários e perspectivas para a próxima eleição presidencial. De saída, o “efeito Lula” impacta o campo das candidaturas do “centro democrático”, que buscavam uma elusiva unidade.

Impacta também a reeleição do atual Presidente da República, em busca do seu segundo mandato, como veremos adiante. Iniciando pelo projeto de um centro democrático uno em 2022, temos que as suas chances se reduziram, pois o cenário aponta para uma reedição da polarização de 2018, Bolsonaro versus PT.

Individualmente falando, terá o governador Dória disposição de um voo solo contra os dois extremos? Ou dependerá para tanto do apoio de um ou dois dos candidatos hoje bem posicionados nas pesquisas?

E, não sendo assim, trocará uma reeleição em São Paulo, segundo maior orçamento do país, por uma disputa presidencial com poucas chances de isolado superar o ex e o atual presidente?

Continua após a publicidade

O mesmo pode-se dizer das candidaturas de Huck e Mandetta. Correrão o risco de uma empreitada solitária, mesmo que venham a construir palanques regionais? Tudo é possível, mas o xadrez tornou-se bem mais complexo. Podem manter o projeto e tentar quebrar a polarização, dada a taxa de rejeição aos “extremos” ou criar um recall para 2026.

Alguns analistas acham que essa impossibilidade de uma candidatura solo triunfar é que torna as chances de uma candidatura única do centro vir a ser imperativa. Alegam que, se antes a polarização pré-existia, sem a força de agora, os incentivos para a busca da unidade eram menores.

Agora, creem, a busca da unidade é incontornável, dado que a polarização se fortaleceu e candidaturas solo têm chance reduzida de passar ao segundo turno.

O ponto frágil desse cenário é que uma eventual candidatura Lula exercerá uma inegável atração sobre ex-aliados, à esquerda e ao centro, ainda que Ciro, ao que tudo indica, deva seguir com sua candidatura.

Já o Presidente provavelmente amargará sua má condução da pandemia, além do desemprego em alta e a economia em baixa. Por tudo isso, 2022 ganhou um desenho conhecido – não mais uma novidade, mas uma volta ao passado.

Raul Jungmann escreve no Capital Político. É ex-deputado federal, foi Ministro do Desenvolvimento Agrário e Ministro Extraordinário de Política Fundiária do governo FHC, Ministro da Defesa e Ministro Extraordinário da Segurança Pública do governo Michel Temer.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Ameaçado por Bolsonaro, Randolfe é indicado para integrar CPI da Covid-19

Alvo do presidente Jair Bolsonaro, que falou em “ter que sair na porrada” com ele, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) será indicado por seu...

CPI-zinha cara

Não é atribuição do Congresso fiscalizar governadores e prefeitos, não é possível tratar 27 governadores e 5.570 prefeitos como se fossem uma coisa só,...

Em meio a tensões envolvendo Ucrânia, Biden propõe cúpula a Putin

Em telefonema nesta terça-feira, 13, o presidente americano, Joe Biden, propôs ao presidente russo, Vladimir Putin, a realização de uma cúpula bilateral nos próximos...

Pentágono confirma veracidade de vídeos sobre OVNI na costa da Califórnia

O Pentágono confirmou nesta terça-feira, 13, a veracidade de vídeos que mostram objetos voadores não identificados zumbindo sobre navios de guerra da marinha americana...

Senador pede explicações sobre campanhas publicitárias contra Covid-19

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) protocolou um pedido de informações dirigido ao ministro das Comunicações, Fábio Faria, sobre as campanhas publicitárias desenvolvidas pela pasta...