Decisão da 2ª turma do STF presta desserviço ao país

A segunda turma do Supremo Tribunal Federal decidiu nesta terça-feira, 23 de março, pela parcialidade do ex-juiz Sergio Moro, no processo do triplex de Guarujá (SP) que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Essa decisão tem potencial para abrir as portas do inferno, com a subsequente anulação de dezenas de outros processos – e soltura de seus respectivos condenados. É só esperar para ver.

Difícil entender como um retrocesso dessas proporções pôde ser operado com tamanha naturalidade pelos três ministros que fizeram a maioria daquele colegiado.

Bom lembrar que Lula teve sua prisão decretada pelo Tribunal Federal Regional da 4.ª Região, após ter habeas corpus negado pelo plenário do Supremo Tribunal Federal.

E absolutamente nada mudou desde a última vez em que o STF votou, em 2018, a mesma questão (suspeição de Sergio Moro), a não ser a divulgação de mensagens hackeadas criminosamente, que foram trocadas entre o então juiz federal e os membros do Ministério Público Federal da Força Tarefa da Lava Jato de Curitiba.

Continua após a publicidade

Essas mensagens nunca foram submetidas à perícia nem tampouco foram conhecidas em sua íntegra. Temos apenas trechos pinçados aqui e acolá, num verdadeiro pot-pourri de diálogos descontextualizados e sem qualquer garantia ou atestado de veracidade e integridade, do que seria o produto de um crime grave, cometido por hackers contra agentes públicos.

Me arrisco a dizer que no dia em que essas mensagens forem descortinadas como um todo, o Brasil verá que não passou de conversa habitual, do business as usual do metier. Juízes conversam e sempre conversaram com as partes, inclusive com os advogados de defesa. Nada foi tramado, falseado ou forjado contra os réus.

Pois bem, com base nessa fumaça, a segunda turma do STF tomou uma decisão que coloca em risco resultados e conquistas da operação que foi um marco e divisor de águas no enfrentamento à corrupção sistêmica no Brasil – talvez a melhor coisa que tenha nos acontecido, como povo, nos últimos vinte anos – e que atingiu em cheio o coração do crime institucionalizado, recuperando para os cofres públicos 4 bilhões de reais pagos em propinas e condenando perto de duzentas pessoas por corrupção e lavagem de dinheiro.

Nunca tivemos resultados tão concretos – contra a impunidade que sempre reinou em nosso sistema processual – como nos sete anos em que perdurou a Operação Lava Jato.

Merece especial registro que a mudança de voto da ministra Carmem Lúcia – embora não assumido – operou-se tão somente em razão das mensagens hackeadas. O que observamos em seu voto foi um contorcionismo intelectual e verbal indisfarçável para sustentar o seu segundo posicionamento, sem que tenha havido qualquer fato novo desde sua primeira manifestação.

Enfim, um vapor barato acabou sendo utilizado para derrubar um castelo de esperança da sociedade brasileira.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Chefe da Secom, Flávio Rocha comunica a ministros que deixará o cargo

Responsável pela Secom, o almirante Flávio Rocha, depois de seguidos problemas na Presidência, bateu o martelo. Vai deixar o órgão que herdou de Fabio...

Ameaçar é crime

Editorial de O Estado de S. Paulo (14/4/2021) O presidente Jair Bolsonaro gosta de falar de liberdade. Em seus discursos, coloca-se como uma espécie de...

Randolfe Rodrigues: ‘A CPI não vai investigar pessoas, mas os fatos’

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) foi o requerente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19, que irá investigar o combate à pandemia do...

PF produziu perícia para ajudar Moro e procuradores (por Márcio Chaer)

Um sargento morreu por causa da explosão de uma bomba dentro do automóvel em que estava e que arrebentou também grande parte da barriga...

Livro não é luxo

Por Vitor Tavares, Diego Drumond, Hubert Alquéres e Luciano Monteiro: Jorge Amado, um dos maiores escritores da literatura brasileira, estaria atônito com a intenção do...