Depois de Amazônia e Pantanal, Salles quer destruir até grama sintética

O ministro do Meio Ambiente e vilão de história em quadrinhos Ricardo Salles não sabe mais o que destruir no Brasil. Depois da Amazônia, do Pantanal, das restingas e dos manguezais, a ideia é aprovar uma resolução que permita incendiar gramado sintético, planta de plástico e até árvore de Natal (se chegarmos até dezembro).

Segundo ambientalistas, a ordem é acabar com tudo que é verde: “Isso talvez explique a escassez de dólares no país”. Para investidores internacionais, Salles diz que o Brasil não está destruindo tanto assim o meio ambiente: “Ainda temos muita lenha pra queimar”, declarou o ministro.

Publicado em VEJA de 14 de outubro de 2020, edição nº 2708

spot_img

Ultimas notícias

Renan da Mata comenta sobre sua vida política no Podcast com Jair

Renan da Mata iniciou sua carreira como assessor do ex-deputado federal paranaense Hidekazu Takayama do PSC e, atualmente, tem como foco sua pré-candidatura para...

Brasil chega a 47 casos suspeitos de ‘hepatite misteriosa’ entre crianças

Os órgãos de saúde do Brasil investigam 47 casos suspeitos da chamada hepatite misteriosa. O cenário ainda é de incerteza e a comunidade científica...

Equívoco de Lula

No afã de defender seu candidato a vice, Lula cometeu um grave equívoco. O ex-presidente afirmou em alto e bom som que o ex-tucano...

Escola na Flórida sorteia fuzis, munições e pistolas entre alunos e professores

Uma semana após o tiroteio em uma escola primária no Texas, que causou a morte de 20 crianças e professores, um colégio da Flórida,...

Brasil perde 7,8 mil piscinas olímpicas de água por dia nos sistemas de distribuição

A quantidade da água tratada perdida nos sistemas de distribuição no Brasil representa um volume equivalente a 7,8 mil piscinas olímpicas desperdiçadas diariamente. O...