Deputado bolsonarista favorável a Flordelis tem irmão nomeado na Alerj

O deputado federal Márcio Labre (PSL-RJ), o único dos 17 membros do Conselho de Ética da Câmara a votar contra a cassação do mandato da também deputada federal Flordelis (PSD-RJ) na última terça-feira, 8, tem o irmão nomeado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Sandro da Silveira Labre é assessor parlamentar no gabinete do deputado estadual Renato Zaca (PRTB). Segundo a folha de pagamento da Casa referente a abril – a mais atualizada no Portal da Transparência -, Sandro recebe um salário mensal de 5,1 mil reais líquidos.

“O Sandro é um dos melhores funcionários. É uma coisa de Deus! É um dos que mais trabalham”, justificou a VEJA Renato Zaca. O parlamentar faz parte da tropa de choque do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Rio. Sandro Labre está com Zaca desde abril de 2020, conforme a nomeação publicada no Diário Oficial. Anteriormente, o assessor dava expediente no gabinete de outro deputado da Alerj: Alexandre Knoploch (PSL).

Zaca é o mesmo deputado que já abrigou Luiz Gustavo Botto Maia, ex-advogado do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). Maia foi um dos alvos da Operação Anjo no ano passado. De acordo com o Ministério Público, ele tentou enganar promotores e a Justiça no caso da “rachadinha” envolvendo Flávio Bolsonaro e o ex-assessor Fabrício Queiroz. A denúncia do MP afirma que Maia “extrapolou todos os limites do exercício da advocacia” e passou a atuar “de forma criminosa”. Depois do escândalo, o advogado foi exonerado por Zaca.

Após a votação, Marcio Labre divulgou uma nota dizendo que a Câmara “não pode usurpar os poderes da República” e que “o Judiciário ainda não se pronunciou sobre o caso”. “Não é correto determinar a perda do mandato da parlamentar antes de o Judiciário proferir sua decisão”, afirmou Labre, que, em seguida, ressaltou: “Reconheço que existe um conjunto indiciário robusto em desfavor da deputada. A história já nos mostrou que injustiças foram praticadas no passado. Tenho absoluta tranquilidade para me posicionar contrariamente à cassação porque meu voto é refém da consciência do amplo direito de defesa para todos”, disse. E concluiu: “Da mesma forma que fui contrário à prisão de Daniel Silveira, preciso ter coerência com as minhas convicções”.

Com a cassação da deputada aprovada pelo Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar, o caso, agora, irá ao plenário, onde precisará ter maioria simples (ou seja, ao menos 257 deputados) para que ela possa perder o mandato. Os parlamentares terão 90 dias para analisar a situação da deputada. Flordelis é acusada de mandar matar o marido, o pastor Anderson do Carmo, e usar o cargo para interferir nas investigações. Anderson foi morto na madrugada de 16 de junho de 2019, atingido por mais de 30 tiros na garagem da casa onde morava com Flordelis e os filhos.

Ultimas notícias

Avanço de variante Delta levanta alerta em Israel sobre nova onda de casos

Pelo segundo dia seguido, Israel ultrapassou a marca de 100 novas infeções pelo coronavírus. Na segunda-feira, 21, foram 125 pessoas, o maior número em...

Quem é o escolhido de Bolsonaro para comandar o Meio Ambiente

Decreto do presidente Jair Bolsonaro publicado há pouco em edição extra do Diário Oficial da União oficializou a demissão, a pedido, de Ricardo Salles...

Criador do antívirus McAffe é encontrado morto em prisão de Barcelona

John McAfee, criador do programa de antivírus para computadores que leva seu sobrenome, foi encontrado morto nesta quarta-feira, 23, em uma cela em Barcelona,...

‘Governo vai desmoronar’, diz Aziz às vésperas de depoimento sobre Covaxin

Presidente da CPI da Pandemia, o senador Omar Aziz (PSD-AM) disse a interlocutores estar convicto de que a comissão de inquérito chegou enfim a...

Mudanças climáticas farão milhões de vítimas, diz relatório da ONU

Um esboço de um relatório do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas (IPCC), um órgão de caráter consultivo da Organização das Nações Unidas para...