Doria sofre protesto contra fase vermelha e diz ter sido ameaçado de morte

O domingo do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não foi nada tranquilo. O tucano soltou logo pela manhã uma nota oficial afirmando que registrara uma queixa-crime contra uma vizinha que teria divulgado um vídeo afirmando que havia uma festa na casa do governador, que desde sábado, 6, decretou que todo o estado estava sob a faixa vermelha de restrição e distanciamento social por conta da pandemia. À tarde, dezenas de manifestantes foram até a sua rua, nos Jardins, para protestar contra o fechamento do comércio. Depois, anunciou que havia recebido mensagens com ameaças de morte e denunciado à polícia

O protesto reuniu algumas dezenas de pessoas. Com bandeiras do Brasil, camisas da seleção brasileira de futebol e poucas máscaras, os manifestantes gritaram palavras de ordem à distância — entre elas “Fora Doria! e “Doria na cadeia”” — , uma vez que a residência foi cercada por policiais militares. O protesto foi organizado nas redes sociais por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

<span class="hidden">–</span>./Reprodução

De manhã, em nota oficial, Doria anunciou que havia ingressado no dia anterior com uma queixa na polícia contra as pessoas responsáveis por gravar um vídeo a partir da casa de sua vizinha. “Na filmagem, uma voz feminina faz a falsa acusação de que seu filho estaria fazendo festa em plena pandemia. A casa onde havia o som em volume mais alto fica na mesma rua onde reside o governador, mas não havia festa e nem aglomeração. Foi solicitado à dona da casa que abaixasse o volume, e o pedido foi prontamente atendido por ela”, diz a nota do governador, que afirma ainda que seu filho “sequer mora no local e nem estava em São Paulo nesta data”. O filho de Doria é João Doria Neto, o Johnny.

João Doria

No final do dia, o tucano soltou uma nota nota para afirmar que havia recebido mensagens com ameaças de morte. “O governador encaminhou as mensagens aos seus advogados, que formalizaram a denúncia ao departamento de crimes cibernéticos da Polícia Civil”, informou a nota. “A tática de tentar intimidar a mim e aos meus familiares não vai fazer com que eu desanime de continuar lutando, defendendo a ciência, salvando vidas e trabalhando pela vacinação de todos os brasileiros”, completou.

Doria virou alvo de bolsonaristas desde que rompeu com o presidente Jair Bolsonaro e passou a adotar uma postura de contraponto a ele no enfrentamento à pandemia, principalmente em relação à defesa da vacina e do isolamento social para conter o vírus.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Irã classifica apagão em usina nuclear de Natanz como “ato terrorista”

A usina atômica de Natanz, no Irã, sofreu um blecaute na manhã deste domingo. As autoridades iranianas classificaram o incidente como um ato de...

Grupos religiosos protestam contra decisão do STF sobre cultos e missas

Grupos religiosos fizeram neste domingo um protesto em frente ao Congresso Nacional contra a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de garantir a...

Igreja Católica da Austrália paga indenização milionária a vítima de abuso

Um homem de 58 anos cuja identidade não foi revelada vai receber uma indenização de 1,5 milhão de dólares australianos (cerca de 6,5 milhões...

O que Bolsonaro é, segundo Marta Suplicy

O que disse Marta Suplicy, ex-prefeita de São Paulo, sobre o presidente Jair Bolsonaro em entrevista ao programa  Manhattan Connection, na TV Cultura. https://youtube.com/watch?v=iq_HayFJl30&feature=oembed Mais lidasBrasilBrasilA...

Pandemia não anula a Constituição

Editorial de O Estado de S. Paulo (11/4/2021) Nenhuma circunstância excepcional, nem mesmo a maior crise de saúde em um século, justifica que se ignore...