Em seu estado, Eduardo Leite seria o terceiro na disputa pela Presidência

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), seria o terceiro colocado em seu estado na disputa para a Presidência da República se a eleição fosse hoje, segundo levantamento do instituto Paraná Pesquisas feito entre os dias 15 e 19 de maio.

Com 11,7% das intenções de voto, o tucano ficaria atrás apenas do presidente Jair Bolsonaro, que lidera com 30%, e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tem 24,9% — a margem de erro da pesquisa é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos.

Na sequência, aparecem empatados tecnicamente o ex-ministro Sergio Moro, com 6,4%; o apresentador Luciano Huck, com 4,88%; o ex-governador Ciro Gomes, do PDT (4,3%); e o empresário João Amoêdo, do Novo (3,4%). O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), aparece em último, com 0,3%.

Entre os entrevistados, 9,7% disseram que votariam em branco, nulo e nenhum e 4,6% afirmaram não saber ou não responderam em quem iriam votar.

A rejeição a Leite no seu estado é alta: 52,3% dos entrevistados afirmaram que não votariam nele de jeito nenhum para presidente. Outros 38,9% afirmaram que poderiam votar e 5,9% disseram que votariam nele com certeza. Do total, 3% não souberam ou não quiseram opinar.

Melhor que Doria

Apesar da rejeição alta, o desempenho de Leite em seu estado é um pouco melhor que o do seu rival interno no PSDB, o governador João Doria, que teria 6,3% no mesmo cenário em São Paulo e ficaria em quarto lugar (atrás de Bolsonaro, Lula e Moro), segundo levantamento do Paraná Pesquisas realizado entre os dias 28 de abril e 1º de maio em São Paulo.

O levantamento do Rio Grande do Sul foi feito com 1.552 eleitores, por meio de entrevistas pessoais telefônicas (sem o uso de robôs), em 68 municípios gaúchos.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Castro, Witzel e Martha Rocha trocam acusações por mortes e vacina no Rio

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 500 mil mortos por Covid-19, três políticos do Rio de Janeiro bateram boca nas...

Clássicos serão excluídos da biblioteca da Fundação Palmares

Em 1933, os nazistas queimaram montanhas de livros em praças da Alemanha. Entre os desafetos do regime de Adolf Hitler estavam autores como Bertolt...

500 mil mortos e o silêncio do presidente

Quinhentos mil mortos por Covid-19. Silêncio. Comedimento. Reticência. Sigilo. Taciturnidade. Placitude. Indiferença. Boca-de-siri. Aglossia. Sopor. Mudez. Moderação. Moderação? Logo o presidente? Enquanto o país precisava...

Empresários “lançam” Sergio Moro como a candidato a presidente

Um grupo de empresários do Paraná prepara uma campanha em favor da candidatura do ex-ministro da Justiça Sergio Moro à Presidência da República. Segundo...